'Prévia' do PIB fica praticamente estável em abril após 15 meses de queda

'Prévia' do PIB fica praticamente estável em abril após 15 meses de queda

A economia brasileira iniciou o segundo trimestre praticamente estagnada, segundo o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma "prévia" do PIB (Produto Interno Bruto). O IBC-Br teve alta de 0,03% em abril na comparação com março, informou o BC nesta quinta-feira (16).

Foi a primeira vez que o indicador ficou no azul após 15 meses de números negativos, mas frustrou a expectativa de analistas consultados pela agência Reuters de alta de 0,3%. 

Na comparação com abril de 2015, o IBC-Br caiu 5,75%. Em 12 meses, o indicador acumula queda de 5,35%.

"Ainda é cedo para cantar vitória. O fundo do poço da atividade econômica parece estar se aproximando, porém só deve ocorrer no terceiro trimestre", destacou a consultoria Rosenberg & Associados, em nota assinada pela economista-chefe Thais Marzola Zara.

Embora o país ainda sofra com a recessão, inflação elevada e desemprego em alta, alguns setores tiveram resultados positivos em abril, como a produção industrial, que apresentou avanço de 0,1%, desempenho melhor do que o esperado. 

As vendas no varejo voltaram a subir em abril, porém abaixo do esperado e ainda insuficiente para reverter a tendência de queda do setor. O volume do setor de serviços recuou 4,5% sobre o mesmo mês do ano anterior, pior resultado para abril desde o início da série histórica em 2012.

PIB encolhe 0,3% no 1º trimestre

A economia brasileira encolheu 0,3% no primeiro trimestre deste ano em relação ao trimestre anterior, segundo os dados do PIB (Produto Interno Bruto).

Na comparação com o primeiro trimestre de 2015, o PIB caiu 5,4%. 

IBC-Br

O indicador do BC é visto pelo mercado como uma antecipação do resultado doPIB. Ele é divulgado mensalmente pelo Banco Central, enquanto o PIB é divulgado a cada três meses pelo IBGE.

O IBC-Br serve de base para investidores e empresas adotarem medidas de curto prazo. Porém, não necessariamente reflete o resultado anual do PIB e, em algumas vezes, distancia-se bastante.

O indicador do BC leva em conta a trajetória das variáveis consideradas como bons indicadores para o desempenho dos setores da economia (agropecuária, indústria e serviços).

A estimativa do IBC-Br incorpora a produção estimada para os três setores, acrescida dos impostos sobre produtos. O PIB calculado pelo IBGE, por sua vez, é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país durante certo período.

 

 

 

(Com Reuters)

UOL