Presidente eleito da Argentina propõe a Dilma relação 'dinâmica' com Brasil

Presidente eleito da Argentina propõe a Dilma relação 'dinâmica' com Brasil

O presidente eleito da Argentina, Mauricio Macri, propôs nesta segunda-feira (23) à presidenteDilma Rousseff, em uma conversa telefônica que durou cerca de cinco minutos, que os dois países tenham relações “mais fluidas e dinâmicas”, informou a Secretaria de Imprensa da Presidência.

Segundo o Palácio do Planalto, Dilma cumprimentou Macri pela vitória nas urnas e o convidou a vir ao Brasil antes mesmo de sua posse no comando da Casa Rosada, marcada para 10 de dezembro. Conforme a Presidência da República, Dilma deverá viajar a Buenos Aires para acompanhar a cerimônia de posse de Mauricio Macri.

O telefonema ocorreu após Dilma comandar a reunião semanal da coordenação política no Palácio do Planalto. Segundo a assessoria do governo, Macri disse à colega brasileira que quer dar “nova vitalidade” ao Mercosul, bloco econômico formado por Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela.

Pela manhã, o assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, intermediou a conversa entre Dilma e Macri. O diálogo ocorreu logo após o presidente eleito conceder entrevista à imprensa argentina.

Macri, 56 anos, é ex-presidente do Boca Juniors – um dos principais clubes de futebol da Argentina – e líder de uma frente de centro-direita que faz oposição ao governo Cristina Kirchner. A Argentina é o principal parceiro econômico do Brasil na América Latina.

Às 5h45 (horário de Brasília) desta segunda, 99,17% dos votos já haviam sido apurados e, segundo a comissão eleitoral, o empresário tinha 51,4% dos votos, e Daniel Scioli, candidato apoiado por Cristina Kirchner, 48,6% (veja mais informações sobre a eleição no vídeo acima).

De acordo com o jornal argentino “Clarín”, Scioli telefonou por volta das 22h20 deste domingo para Macri e admitiu a derrota nas urnas.

 

Encontro de Dilma e Scioli
No início de outubro, Dilma recebeu no Palácio do Planalto o candidato argentino Daniel Scioli, que tinha o apoio de Cristina Kirchner na eleição presidencial. Scioli foi derrotado por Mauricio Macri neste domingo.

 

À época, o assessor especial da Presidência Marco Aurélio Garcia afirmou que o encontro ocorreu a pedido por Scioli.

Desafios de Macri

Em entrevista à GloboNews, o especialista Ricardo Ismael, da Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-Rio), fala sobre os próximos passos e desafios de Mauricio Macri; veja abaixo.

 

 

 

G1