Por 18 a 0, prefeito de Santa Rita tem mandato cassado pela Câmara de Vereadores

Por 18 a 0, prefeito de Santa Rita tem mandato cassado pela Câmara de Vereadores

O prefeito de Santa Rita, Reginaldo Pereira foi cassado por unanimidade, na manhã desta sexta-feira (25), pelos vereadores da Câmara Municipal da cidade. Foram 18 votos a favor da impeachment e apenas uma ausência que era do sobrinho dele, Flávio Pereira.

 

População lotou, desde o começo da manhã desta sexta-feira, o plenário da Câmara Municipal de Santa Rita, na Região Metropolitana de João Pessoa, com bandeiras, cartazes e faixas pedindo a cassação de Reginaldo Pereira (PRB). A praça João Pessoa, principal da cidade, também foi tomada por moradores. A Polícia Militar e os agentes de trânsito estiveram no local para garantir a segurança da manifestação.

 

Julgamento começou atrasado, com a leitura das acusações que pesam sobre o prefeito Reginaldo, ao todo são 40 páginas no documento. 18 vereadores, dos 19 vereadores estão presentes no plenário. O sobrinho do prefeito, Flávio Pereira, não compareceu à votação.

 

Dois homens foram detidos durante a comemoração do afastamento de Reginaldo. Segundo a Polícia Militar, eles são suspeitos de estarem armados dentro do plenário da Câmara, por isso, foram conduzidos para Delegacia de Santa Rita para prestarem esclarecimentos.

 

Esta foi a primeira vez que um prefeito foi cassado no município de Santa Rita. O prefeito foi cassado por uma das acusações que tramitava na Casa Legislativa, prática de nepotismo. Por volta das 16h, o prefeito em exercício Severino Alves, conhecido como Netinho vai assumir de forma definitiva o posto executivo da cidade.

 

Os vereadores podiam esperar pela decisão da Justiça que afastou o prefeito por 90 dias, mas eles alegaram que já há elementos suficientes para pedir o impeachment do gestor.

 

Reginaldo foi afastado pela Câmara de Vereadores, nos dias 20 e 24 de março deste ano, sob suspeita de irregularidades à frente do Poder Executivo Municipal. Ele conseguiu derrubar duas decisões judiciais e retornar ao cargo, mas no dia 4 de abril, uma decisão do Tribunal de Justiça anulou a liminar do prefeito e manteve o vice Netinho no cargo.

 

Gestor é acusado de falsidade ideológica, afastamento irregular do Município, nomeações irregulares, descumprimento de leis municipais, prática de nepotismo, quebra de decoro, além de fraudes em licitações e falsificação de documentos.

 

Fonte: Portal Correio