Polícias prendem suspeitos de clonar cartões e realizar compras fraudulentas pela internet

Polícias prendem suspeitos de clonar cartões e realizar compras fraudulentas pela internet

As Polícias Civil e Militar prenderam em flagrante, nessa quarta-feira (24), dois suspeitos de clonar cartões de crédito, realizar compras fraudulentas pela internet e desviar valores superiores a R$ 200 mil. Foram presos: Adriano Cândido de Lucena, de 31 anos e Menahem da Silva Bastos, de 22 anos.

De acordo com o delegado titular da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) de João Pessoa, Lucas Sá, a especializada recebeu uma denúncia de fraudes relacionadas à clonagem de cartões e também a fraude em compras pela internet. “Nos nossos levantamentos identificamos que os suspeitos realizavam compras de diversos produtos, mas o volume principal das negociações referentes a livros universitários, principalmente dos cursos de Direito e Medicina, que resultaram em um prejuízo inicial de R$ 200 mil, causando transtornos financeiros em várias editoras do país, de empresas de cartão de crédito e dezenas de pessoas [titulares dos cartões de crédito]”, disse o policial. 

A DDF chegou aos suspeitos após atuação conjunta com policiais ,ilitares, que auxiliaram na deflagração da operação, durante todo o dia de quarta-feira. “O primeiro suspeito a ser localizado foi Adriano Cândido. Ele se apresentou como técnico de contabilidade e estudante universitário. No momento da abordagem, os policiais flagraram o suspeito recebendo uma entrega de um dos pedidos fraudulentos. Junto com Adriano Cândido foram apreendidos 80 livros, a maioria do curso de Direito e Medicina. Além dos livros, foi localizado um cartão de crédito em nome de terceira pessoa, uma carteira de estudante do curso de Direito e um jaleco do curso de medicina, possivelmente utilizado pelo suspeito para se apresentar como estudante de Medicina e facilitar a negociação dos livros adquiridos”, explicou Lucas Sá.

As investigações da especializada identificaram que o suspeito vem atuando há pelo menos um ano, em conjunto com diversas outras pessoas de todo o país (hackers), conseguindo obter informações de cartões de crédito (número do cartão, código de segurança e validade), utilizando-as nas compras realizadas pela internet. Uma das editoras vítimas do suspeito informou que já sofreu o prejuízo de R$ 180 mil em apenas um ano de atuação. Em depoimento, Adriano Cândido confessou ter adquirido mais de dois mil livros neste período, de diversas outras editoras, de maneira que os valores obtidos podem ser ainda maiores.

Já Menahem da Silva Bastos, de 22 anos é tido como um dos principais comparsas de Adriano e é conhecido por ser receptador dos livros jurídicos. O segundo suspeito é estudante do curso de Direito e estava aguardando a entrega de um novo pedido, que seria levado por Adriano, no momento da abordagem policial. Na residência de Menahem da Silva foram localizados aproximadamente 30 livros jurídicos adquiridos de forma fraudulenta, ficando confirmada a atuação em conjunto entre os dois suspeitos.

Adriano Cândido responderá pelos crimes de estelionato, falsidade ideológica, associação criminosa e porte ilegal de munição, podendo ser condenado a mais de 15 anos de reclusão. Já Menahem da Silva Bastos responderá pelos crimes de receptação e associação criminosa, podendo ser condenado a mais de sete anos de reclusão.

 

 

Secom PB