Policiais civis da Paraíba anunciam paralisação para o próximo dia 23

Policiais civis da Paraíba anunciam paralisação para o próximo dia 23
Policiais civis dos cargos de  Agente de Investigação,  Escrivão de Polícia, Civil e Motorista  policiai vão paralisar suas atividades no próximo dia 23 das 8 às 18 horas.   A  informação está numa nota divulgada  à imprensa   pela   Associação dos Policiais Civis de Carreira (Aspol).

Veja a nota na íntegra

COMUNICADO

A ASPOL/PB, na condição de Entidade Representativa dos Policiais Civis Paraibanos, por seu Presidente, vem por meio deste COMUNICAR à População Paraibana, à Imprensa e a quem interessar possa que foi deliberada e Aprovada por unanimidade a PARALISAÇÃO DAS ATIVIDADES DOS POLICIAIS CIVIS dos cargos de AGENTE DE INVESTIGAÇÃO, ESCRIVÃO DE POLÍCIA CIVIL E MOTORISTA POLICIAL, por um período de 10 horas, e ocorrerá das 8 às 18 horas do dia 23 (vinte e três) de abril de 2015, (quinta feira) como forma de demonstrar a Insatisfação, o Repudio e o Descrédito da Categoria Policial Civil para com alguns membros do poder Judiciário e Ministério Público Estadual, Devido à atitude dos MM Juízes em substituição cumulativa na 1ª Vara Mista da Comarca de Catolé do Rocha/PB, QUE aparentemente baseados tão somente em declarações formuladas por um CIDADÃO condenado definitivo em Tráfico de Entorpecentes e que ainda cumpre pena como albergado, valendo-se apenas da alegação de que “a ordem pública estaria abalada com a liberação dos indiciados”, e, ainda, “o fato de serem Policiais “militares” bem como a vultosa quantia pedida demonstram a sua periculosidade efetiva, autorizando a sua segregação cautelar”, (ipsis literis), Decretaram a Prisão Preventiva de três Policiais Civis de Conduta Ilibada, com endereços residenciais e de trabalho fixos, que nunca responderam a nenhum processo, e, pior ainda, Decretaram a Prisão Preventiva SEM O ESSENCIAL FLAGRANTE DELITO E SEM A IMPERATIVA PROVA DA MATERIALIDADE DE CRIME! Baseados tão somente em declarações? “Onde aplicar verdadeiramente o “fumus boni iuris e o periculum in mora”?

Confiamos que a Lei seja justaposta e que o Tribunal de Justiça da Paraíba Restabeleça a Liberdade dos Policiais Civis na Vanguarda da Retidão e no Pleno Exercício do Estado Democrático de Direito, para que os Policiais e a População em geral não passem a acreditar que basta Declarações Sem Prova da Materialidade de Crime e Sem Flagrante Delito para fazer com que Cidadãos Íntegros sejam Privados de sua Liberdade pela Justiça.

João Pessoa/PB, 17 de abril de 2015.

 

 

 

 

A ASPOL SOMOS TODOS NÓS!

Sandro Roberto Bezerra

Presidente