Polícia prende quadrilha de garçons em JP que vendia drogas até para deputados estaduais

Polícia prende quadrilha de garçons em JP que vendia drogas até para deputados estaduais

O Grupo de Operações Especiais (GOE), comandada pelo delegado Tiago Sandes efetuou a prisão e apreensão nesta sexta-feira (22) de uma quadrilha de garçons acusadas de tráfico de drogas. Os garçons trabalhavam em um restaurante conhecido de Cabo Branco, de propriedade de um dos familiares. A quadrilha afirmou que vendia drogas até para deputados estaduais da Assembleia Legislativa da Paraíba.

Com os traficantes foram apreendidas munições, dois revolveres calibre 38, balança de precisão, nove celulares, recibo de veículos já assinados pelo proprietários, relógios, R$ 9 mil reais, carteiras e documentos. O delegado também conseguiu armas feitas de isopor, provavelmente utilizada para assaltos, além de 2 quilos de crack já cortados e prontos para a venda.

Segundo Sandes, o trabalho foi desenvolvido durante seis meses de investigações. “No curso dessas investigações começamos a coletar informações oriundas de denúncias e identificamos que na região da barreira de Cabo Branco havia algumas suspeitas de praticar o tráfico de entorpecentes. Identificamos quem seriam essas pessoas, nos certificamos que eles estariam associados e representamos os mandados de busca”, explicou o delegado.

Venda a deputados - O delegado informou que os suspeitos são vizinhos. “Já nos foi confessado que havia um comércio muito grande tanto na rua onde residem, quanto em outros locais. Nosso próximo passo é identificar outros locais onde essa substância era comercializada. Chegou ao nosso conhecimento também, mas isso teremos que checar, que eles vendiam substâncias entorpecentes a alguns deputados estaduais. Não posso dizer o nome por conta das investigações. Mas nós temos essas informações aí. A situação é complicada, mas a Polícia Civil está na rua para fazer o seu trabalho e tirando esses suspeitos sem precisar efetuar um disparo sequer”, pontuou.

Sandes explicou ainda que o grande fluxo de visitas nas casas dos suspeitos corroborou ainda mais com as suspeitas. Ainda segundo o delegado, os presos foram Tales Mesquita de Lacerda Maranhão, 20 anos, Daniele Oliveira, 19 (esposa de Tales) e Helton Douglas Pessoa, 29 anos. Tales era quem recebia a substância, cortava e distribuía para o segundo suspeito, Douglas. Ainda foi apreendido um adolescente que confessou que também participava do crime.

Os envolvidos agora vão responder pelo flagrante do tráfico e associação ao tráfico. “Agora eles vão ser encaminhados para Central de Polícia, os homens depois vão para o presídio do Roger e a suspeita para o presídio feminino Julia Maranhão”, finalizou