Polícia Militar aponta suspeitos da tentativa de homicídio contra sargento

Polícia Militar aponta suspeitos da tentativa de homicídio contra sargento

Depois de várias diligências sem êxito na tentativa de capturar os homens que atiraram contra o sargento José Ferreira Lima, de 52 anos, na manhã da segunda-feira, 17, na estrada entre São José de Caiana e Itaporanga, especificamente no trecho que cruza o sítio Tabuleiro, a Polícia Militar entregou à Polícia Civil nessa terça-feira, 18, o relatório sobre o fato, que vai embasar a apuração do caso pelo delegado.

No relatório, a PM narra que o sargento Ferreira deixava o serviço do destacamento de São José de Caiana e seguia para Itaporanga, onde reside, quando o veículo que ele viajava foi interceptado por um Fiat Uno com possivelmente quatro ocupantes e um deles teria disparado duas vezes contra o sargento, que foi atingido por um dos tiros.

Segundo ainda a PM, durante a perseguição aos acusados, um carro com as características do veículo utilizado no crime foi encontrado queimado em uma área rural. O relatório policial aponta dois suspeitos da tentativa de homicídio: são os irmãos Jailson Batista dos Santos, de 25 anos, e Jardel Batista dos Santos, ambos residentes em São José de Caiana, e que são tidos como foragidos.

Conforme o que apurou preliminarmente a Polícia Militar, dois dias antes do atentado, Jailson teria se envolvido em uma briga durante uma festa pública em São José de Caiana e resistido à prisão, o que teria obrigado o sargento Ferreira e seus comandados ao uso da força física, gerando revolta no detido. De acordo com o senhor conhecido como Danda Canário, que é pai do rapaz, “meu filho apanhou muito”. Danda também disse que durante a procura pelos suspeitos, PMs estiveram em sua residência, localizada no sítio Panelas, e agrediram fisicamente ele, a mulher e um filho na tentativa de obter informações sobre o paradeiro dos seus dois filhos que estão foragidos.

O sargento conseguiu sobreviver ao disparo, mas precisou ser removido para Campina Grande devido à gravidade da lesão: seu quadro clínico é considerado bom, e ele permanece hospitalizado, no entanto, não corre risco de morte. 

 

Fonte: Folha do Vale