Polícia Civil de CG desvenda assassinato de casal e prende seis acusados de envolvimento

Polícia Civil de CG desvenda assassinato de casal e prende seis acusados de envolvimento
Policiais da Delegacia de Homicídios de Campina Grande, sob o comando da delegada Tatiana Barros, e cumpriram seis mandados de prisão, e oito de busca e apreensão, na madrugada desta terça-feira (17). A operação, denominada de ‘Escariotes’, em alusão à traição de Judas, culminou com a elucidação do duplo homicídio que teve como vítimas Washington Luiz Menezes e Lúcia Santana Pereira. O crime aconteceu no dia 29 de março deste ano, na saída de uma festa de casamento, do qual o casal foi adrinho. Um vigilante que trabalhava no local também saiu ferido.

Foram presos Samuel Alves de Sousa, o “Samuca”, autor dos disparos; o agiota Fanciclécio de Farias Rodrigues e Álife Sampaio dos Santos, apontados como mentores; Nelcivan Marques, sócio das vítimas e autor material, além do casal Gilmar Barreto da Silva e Maria Goreti Alves Pereira, como co-participantes de toda a trama para executar o casal.

Em entrevista coletiva na Central de Polícia, a delegada Tatiana Barros detalhou o desvendamento do caso e disse não ter qualquer dúvida de que o crime foi planejado e praticado por interesses puramente financeiros, considerando, principalmente, que uma das alíneas do contrato da sociedade vedava direitos aos herdeiros, em caso da morte de um dos sócios.

Conforme foi apurado, Samuel receberia R$ 4 mil para executar o casal, que um mês antes havia sofrido atentado, sem sucesso. “Este primeiro caso aconteceu no dia primeiro de março, na residência das vítimas, e teria sido praticado por Álife. Como não obteve sucesso, Gilmar, que com sua mulher Maria Goreti participou de toda a trama, inclusive planejando a rota de fuga, indicou Samuel, que prometeu cumpriu a missão”, disse a delegada.

A operação iniciou pela madrugada, quando a meta era cumprir cinco mandados de prisão e oito de busca e apreensão. “No decorrer, dos trabalhos, fomos juntando mais peças ao xadrez e identificamos um sexto envolvido. Imediatamente conseguimos a ordem judicial e fizemos a sua captura”, disse Tatiana, ressaltando que o caso desta forma chega ao seu final.

O superintendente Regional de Polícia Civil, delegado Marcos Paulo Vilella destacou o trabalho dedicado das equipes de policiais responsáveis pelas investigações. “Ressaltamos a inteligência, competência, muito profissionalismo e compromisso com a missão, mesmo com as pressões recebidas, para que chegássemos aos responsáveis pelo crime”, disse o delegado, lembrando que é esse o trabalho da Polícia Judiciária, que cedo ou tarde sempre dá a resposta à sociedade.

Miriam Santana Pereira, 51 anos, irmã de Lúcia Santana, uma das vítimas do duplo homicídio, reconheceu o trabalho da polícia, e disse agora entender o tempo para se chegar aos verdadeiros autores. Embora surpresa, pois não esperava este tipo de atitude de uma pessoa tão próxima, mas garantiu de sua parte perdoar, lembrando, apenas sempre confiou na Justiça de Deus e dos homens.

Assessoria