PF faz buscas na sede da empresa do paraibano “Caoa”

PF faz buscas na sede da empresa do paraibano “Caoa”

A nova fase da Operação Acrônimo, conduzida pela Polícia Federal, atingiu dois grandes grupos empresariais: a Caoa, do empresário paraibano Carlos Alberto de Oliveira Andrade, representante do grupo Hyundai no Brasil, e o frigorífico Marfrig, do empresário Marcos Molina.

Estão sendo investigados empréstimos concedidos pelo BNDES aos dois grupos.

Nesta quinta-feira, a Caoa também foi citada em outra denúncia, sobre a compra de uma medida provisória que prorrogou incentivos fiscais à montadora.

Também foram realizadas buscas na casa de um contador que trabalhava para as empresas investigadas.

O empréstimo para a Caoa diz respeito à construção de sua fábrica, em Anápolis, Goiás. A empresa entrou no radar das investigações por ter realizado um pagamento para o empresário Benedito Oliveira, pivô da Operação Acrônimo.

Nesta quinta-feira, também foi realizada uma operação de busca e apreensão na residência do presidente da Cemig, Mauro Borges.

Mais informações na reportagem da Agência Brasil:

PF deflagra terceira fase da Operação Acrônimo

Pedro Peduzzi – A Polícia Federal deflagrou hoje (1º) a terceira fase da Operação Acrônimo. Em razão de uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a investigação é sigilosa, por isso, a PF não informou quantos agentes atuam e quais ações estão em andamento.

As investigações da Operação Acrônimo começaram em outubro de 2014, quando agentes federais apreenderam R$ 113 mil em uma aeronave que chegava ao Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek. Na época, a PF informou que tinha como foco o combate a uma “organização criminosa investigada por lavagem de dinheiro e desvios de recursos públicos”.

Entre os presos estava Benedito de Oliveira Neto, conhecido como Bené e dono da Gráfica Brasil. Naquele ano, atuou na campanha do então candidato e atual governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, que negou ser “objeto de investigação no processo”. Ainda naquela etapa da investigação, o delegado Dennis Kali, então responsável pela operação, confirmou que o governador petista não era mesmo alvo da investigação.

 

 

Brasil 247