'Perseguição só aumenta minha popularidade', diz prefeita ostentação

'Perseguição só aumenta minha popularidade', diz prefeita ostentação

"Minha popularidade só aumenta." Essa é a reação de Lidiane Leite da Silva (DEM), prefeita afastada de Bom Jardim (MA), quando fala sobre as acusações de desvio de dinheiro público feitas pelo MP (Ministério Público) e políticos da cidade.Ela foi presa pela Polícia Federal no ano passado, após 39 dias foragida --neste período, acabou tendo o mandato cassado pela Câmara dos Vereadores. Ela foi libertada para responder aos processos em liberdade, e obteve no começo desta semana uma liminar na Justiça Federal que a reconduzia ao cargo, mas, dois dias depois, a Justiça de Bom Jardim determinou novo afastamento.

Lidiane é acusada de desviar verbas destinadas à educação --principalmente da merenda escolar-- que somariam R$ 15 milhões. No site do Tribunal de Justiça do Maranhãohá registro de pelo menos oito ações civis públicas e pedidos de improbidade administrativa pelas supostas irregularidades ajuizadas na comarca de Bom Jardim.

Nesta sexta-feira (12), Lidiane concedeu uma entrevista exclusiva ao UOL. Ela afirma que vai provar a inocência das acusações e diz sofrer perseguição política de adversários, embora diga que isso "só faz aumentar a minha popularidade no município".

Ela comenta também sobre o apelido que ganhou - "prefeita ostentação" por aparecer em fotos de festas em redes sociais e passeios usando jet-ski e lancha. "Eu sou jovem e tenho amigos. Como qualquer jovem, eu também saio. Acho que isso não faz de mim uma ostentadora."

UOL - Por que a senhora resolveu entrar na política?
Lidiane Leite da Silva - Porque meu ex-marido é político.

Como vê as denúncias de desvios de dinheiro público feitas contra a senhora?
Não existem muitas denúncias. Sou investigada por desvio de R$ 292 mil e estou provando minha inocência. Não existe nada contra mim.

Em meio ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, a senhora se acha vítima de um golpe?
Existe um medo político da minha força, e há perseguição por parte de meus adversários, já que sou popular na cidade por ter feito muitas obras. Nunca atrasei salários, pago antecipado a metade do 13º salário no meio do ano, além de reajustar os salários dos servidores.

Nesse quase um ano afastada da prefeitura, como foi sua rotina?
Rotina tranquila, cuidando do meu filho de nove anos e estudando.

Quais eram os estudos?
Estudei em casa com dois amigos. Não dá para te explicar, não. É muito pessoal essa parte da minha vida.

Nos dois dias em que reassumiu o cargo de prefeita de Bom Jardim, foi possível fazer alguma mudança? Exonerou alguém? Fez algum pagamento, já que havia acusações de que a administração interina tinha suspendido repasses?
Testemunhei despreparo administrativo, falta de prestação de contas que causa bloqueio de verbas estaduais, falta de continuidade às obras que eu estava tocando e adiamento de inauguração das obras que deixei prontas. A vice-prefeita/prefeita interina (Malrinete dos Santos Matos, do PMDB, conhecida como Malrinete Gralharda), não fez nenhuma obra. Constatei que a prefeitura deve quatro meses de salários atrasados e a população não tem acesso às informações sobre a administração. 

A senhora constatou alguma irregularidade nas contas municipais?
Não tive acesso às contas, estava concentrada em organizar o pagamento do funcionalismo e reativar as obras que deixei. Tive que notificar os setores responsáveis para me darem a folha de pagamento, já que não ficou nem um material contábil para eu ver. Não ficou nada, tudo foi levado para prejudicar. Eu tenho atendido muitas reclamações, houve demissões sem pagamentos de indenização e exonerações irregulares.

Arquivo pessoal/Facebook
A prefeita de Bom Jardim (MA) em imagem reproduzida nas redes sociais antes de sua prisão

Na sua gestão isso aconteceu?
Nunca. Eu sempre paguei antecipado o 13º, pagava 50% no meio do ano. Eu tinha uma equipe de planejamento muito competente. A vice foi deputada há muitos anos e não levou nenhuma obra para Bom Jardim, deu prioridade às outras cidades. Antes de se eleger comigo, em 2012, ela e o pai concorreram e nunca foram eleitos porque não dão importância ao povo.

Como foi a receptividade dos moradores ao saberem da sua posse? E agora ao saberem que a senhora foi afastada?
Fui recebida com muita alegria. Eu fui eleita pela maioria, ela (Malrinete) é apenas a vice. O povo teve a esperança de ter seus proventos honrados. Hoje a cidade está triste, afinal, eu sou a esperança, e essa perseguição só alimenta minha popularidade.

A senhora vai buscar a reeleição?
Não estou em busca de reeleição.

Vai participar da campanha de alguém?
Não vou participar de campanha. Quero apenas ajudar a reorganizar a casa, essa causa é social, meu povo sofre.

O que a senhora acha do apelido de "prefeita ostentação"?
Nunca ostentei. Você pode observar e analisar para ver se os fatos condizem com o comentário... Não tenho jet-ski nem lancha, foram alugados em um passeio. As fotos as quais apareço são em praça pública, em festas de São João. Eu sou jovem e tenho amigos. Como qualquer jovem, eu também saio. Acho que isso não faz de mim uma ostentadora. Faço o que você faz, uso batom vermelho como qualquer mulher vaidosa.

Antes, suas contas nas redes sociais eram cheias de fotos. Não pegou mal postar fotos mostrando carros de luxo e joias sendo prefeita em uma cidade pobre de um Estado pobre?
Sempre tive uma condição de vida confortável, casei com Beto Rocha, que é rico. Eu tinha dois carros, um Land Rover e um BMW, mas meus carros não aguentavam "estrada de chão", e meu ex-marido me presenteou com uma SW4 [utilitário esportivo]. Nada mais justo, já que ele tinha condição de me dar muito mais. Nem por isso eu ostentava, acho que o suor da gente é da gente. Nunca ostentei, sempre fui andei a pé na minha cidade, frequentava os lugares, fazia feira, como qualquer dona de casa.

 

Outro lado

Malrinete Gralharda nega as acusações de Lidiane sobre o sumiço de documentos da prefeitura para Lidiane não ter acesso às contas municipais e afirmou que ela não tem intenção de prejudicar o município.

Ela também negou que haja descontinuidade de obras que foram iniciadas na gestão da prefeita e afirma que tudo que foi deixado já foi concluído e entregue à população. Segundo ela, algumas obras estavam paradas porque "os recursos foram desviados, mas agora todas foram concluídas e entregues".

A prefeita em exercício admitiu que existem pagamentos atrasados de fornecedores, mas os funcionários efetivos estão em dia. Segundo ela, o atraso ocorreu em recorrência de "desvios de mais de R$ 15 milhões de dinheiro dos cofres municipais da gestão passada".

"Quando assumi a prefeitura em setembro do ano passado tinha três meses de salários atrasados e todos os fornecedores atrasados, inclusive salários de servidores efetivos atrasados. Encontramos escolas desativadas, sem merendas e hoje ativamos todas as escolas e regularizamos as merendas. De lá pra cá, estamos pagando débito", disse a interina.

"Pagamos os servidores efetivos e estamos atrasados com os servidores contratados, pois pegamos uma crise municipal com mais de R$ 15 milhões de desvio dos cofres municipais. Vale ressaltar que não voltou nenhum centavo desse dinheiro aos cofres públicos", explicou Malrinete ao UOL.

 

UOL