Pela primeira vez, Copa vai reunir todas as seleções campeãs do Mundo

Pela primeira vez, Copa vai reunir todas as seleções campeãs do Mundo

 A segunda edição brasileira da Copa do Mundo (a primeira foi em 1950), será uma edição inovadora, que reunirá, pela primeira vez, todas as seleções campeãs da competição, juntamente com os principais supercraques da última década.

A seleção pentacampeã brasileira é seguida pela Itália, com quatro troféus, um a mais que a Alemanha. A equipe que venceu a primeira edição, o Uruguai, conquistou duas vezes a competição, como a Argentina. França, Inglaterra e a atual campeã Espanha ganharam uma Copa do Mundo cada.

O Brasil e a Espanha são os únicos países que ganharam fora de seus continentes (Brasil em 1958 e 2002 e a Espanha em 2010).

Novidades nos estádios

Os novos estádios já impulsionam a indústria do futebol brasileiro. O torcedor brasileiro lotou os seis estádios que ficaram prontos em 2013 para a Copa das Confederações. Já para a Copa do Mundo, os torcedores brasileiros garantiram a maior parte dos  2,6 milhões de ingressos já vendidos. 

Estudos da Fundação Getúlio Vargas indicam que, com uma exploração eficiente e estruturas mais adequadas, o futebol brasileiro pode movimentar mais de R$ 60 bilhões por ano e gerar até 2 milhões de empregos diretos e indiretos.

Brazuca

A bola da Copa do Mundo de 2014 já tem nome: Brazuca. O Comitê Organizador Local (COL), a FIFA e a Adidas, um dos patrocinadores oficiais do Mundial, revelaram ainda em 2013 o resultado da votação para a escolha do nome da bola.

Esta foi a primeira vez que os torcedores puderam opinar sobre o nome da bola oficial, cujas opções eram: Bossa Nova, Brazuca e Carnavalesca. A enquete, que durou três semanas, teve mais de um milhão de participantes.

A lista de nomes foi inspirada em elementos da cultura brasileira e, segundo a federação, o termo escolhido - Brazuca - além de informal, é utilizado pelos brasileiros para descrever o orgulho nacional pelo estilo de vida do País, simbolizando emoção, orgulho e boa vontade, de forma semelhante à abordagem local ao futebol.

 

História da bola pelas Copas do Mundo

A Tricolore, da edição de 1998, apresentou as cores do País anfitrião, a França, com uma bola azul e branca. Ela foi feita no Marrocos e na Indonésia.

A Fevernova, do Mundial de 2002, teve um design inteiramente baseado na cultura asiática, já que naquele ano Coreia do Sul e Japão sediaram a Copa.

A bola Teamgeist, da Copa do Mundo de 2006, foi inovadora. Impermeável, ela permitiu manter o mesmo peso do início ao fim de uma partida do Mundial de 2006, independentemente das condições meteorológicas.

Na edição de 2010, a Jabulani foi a bola do torneio.  Jabulani significa ‘comemorar’ na língua zulu. A bola de onze cores foi muito criticada, principalmente por poder mudar várias vezes sua trajetória durante um chute.

O troféu da Copa

De 1930 a 1970, a Taça Jules Rimet foi concedida aos vencedores do torneio. Nomeado em 1946 em homenagem ao então Presidente da FIFA, o francês Jules Rimet, o troféu foi feito pelo escultor Abel Lafleur, compatriota de Rimet, antes da primeira edição da Copa do Mundo FIFA.

A taça representa Nice, uma deusa grega que personificava a vitória, segurando um cálice octogonal acima dela. A estatueta de ouro fica sobre uma base de pedra. As condições especificadas foram de que quando uma equipe vencesse três vezes o Mundial, o troféu seria mantido em definitivo por ela.

O Brasil de Pelé ganhou sua terceira Copa do Mundo em 1970, no México, e permaneceu em definitivo com a Taça Jules Rimet. A seleção brasileira derrotou o Uruguai nas semifinais e a Itália na final. Ambas as nações tinham dois títulos da Copa do Mundo e também buscavam ficar com a Jules Rimet em seus domínios para sempre.

Em 1966, a organização da Copa foi de responsabilidade da Inglaterra, que foi, de fato, guardiã do troféu durante a competição. A taça foi roubada e então a Scotland Yard entrou em ação para localizá-la antes do fim do Mundial. Finalmente, um pequeno cão chamado Pickles farejou um pacote enrolado em jornais, colocado em uma lixeira de um jardim público, localizando o troféu.

A seleção brasileira ganhou as Copas de 1958, 1962 e 1970, ficando com o direito de ter a taça Jules Rimet em definitivo no Brasil.

No Mundial de 1974, foi apresentado o Troféu da Copa do Mundo FIFA, criado pelo escultor italiano Silvio Gazzaniga. Ele representa dois atletas segurando o Planeta Terra. A taça pesa 6,175 kg,195 mede 36,5 cm de altura e é feita com 5 kg de ouro 18-quilates (75%), com um diâmetro 13 cm, contendo duas camadas de malaquita.

Os nomes dos países que ganharam o torneio estão gravados na base do troféu. Não se sabe ainda se a FIFA vai retirar a taça após todos os espaços da base serem ocupados; isso só ocorreria no Mundial de 2038.