Paulo Roberto Costa diz à CPI que fica calado e rejeita sessão secreta

Paulo Roberto Costa diz à CPI que fica calado e rejeita sessão secreta

O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou nesta quarta-feira (17), em sessão da CPI mista da Petrobras, que não responderá a perguntas de parlamentares. Indagado pelo presidente da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), se aceitaria participar de uma sessão secreta, disse que a sessão "pode ser aberta", mas que não dará declarações.

VALE ESTA 2 arte youssef lava jato (Foto: Editoria de Arte/G1)

"Vou me reservar o direito de ficar calado", afirmou. Mesmo diante do propósito de Costa de ficar em silêncio, a CPI decidiu que os parlamentares poderiam fazer perguntas.

O primeiro a formular questões foi o relator da comissão, deputado Marco Maia (PT-RS). A todas as questões de Maia, Costa afirmou que não tinha nada a declarar ou que se manteria calado. Após uma intervenção do deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), que afirmou que não se justificava a manutenção das perguntas diante da disposição do depoente de não responder, os parlamentares iniciaram um debate sobre a conveniência de manter a sessão aberta.

Com apoio da oposição, o líder do DEM na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE), apresentou um requerimento a fim de transformar a sessão em uma reunião fechada - uma tentativa de convencer o ex-diretor a falar o que sabe aos parlamentares. Por dez votos a oito, porém, a proposta foi rejeitada pela maioria do plenário.

Delação premiada
Paulo Roberto Costa fez um acordo de delação premiada e, em depoimentos à Polícia Federal em Curitiba, onde está preso, teria delatado políticos que teriam envolvimento com um suposto esquema de corrupção na Petrobras.

Na manhã desta quarta, Costa foi trazido de avião por policiais federais, de Curitiba, para prestar depoimento, após ter sido convocado pela CPI.

Costa foi preso na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que investiga suposto esquema de lavagem de dinheiro em todo o  país. Ele é suspeito de intermediar contratos entre a Petrobras e empresas de fachada, algumas delas ligadas ao doleiro Alberto Youssef, também preso pela PF.

A CPI mista decidiu ouvir o ex-diretor depois que vieram à tona detalhes do depoimento que ele prestou ao Ministério Público Federal no acordo de delação premiada.

Segundo reportagem da revista "Veja", durante seus depoimentos aos procuradores da República, Paulo Roberto Costa teria delatado que três governadores, seis senadores, um ministro e, pelo menos, 25 deputados federais foram beneficiados com pagamentos de propinas oriundas de contratos com fornecedores da estatal.

Esta é a segunda vez que Costa vai ao Congresso Nacional para dar explicações sobre denúncias de irregularidades na Petrobras.

Em 10 de junho, o ex-dirigente prestou depoimento à CPI exclusiva do Senado sobre a compra da refinaria de Pasadena, no Texas, operação suspeita de superfaturamento que motivou a criação dos colegiados. Na ocasião, ele negou ter utilizado a petroleira para se beneficiar e disse que a empresa não é uma "casa de negócios".

 

G1