Pastor afirma que homossexuais devem ser executados para salvar o mundo da Aids

Pastor afirma que homossexuais devem ser executados para salvar o mundo da Aids

Quando você acha que já viu de tudo na vida, sempre surge algo para te surpreender.E nem sempre isso é algo positivo.

Um exemplo disso atende pelo nome de Steven Anderson. Ele é um pastor no Estado americano do Arizona e chocou fiéis e pessoas de várias partes do mundo ao pregar, no último dia 30 de novembro, uma “solução” contra a Aids até o Natal: matar homossexuais.

Estava ali na Bíblia o tempo todo - e eles estão gastando bilhões de dólares em pesquisa e testes. É curável, porque se você executasse os homossexuais como Deus recomenda, você não teria a Aids correndo solta”, diz Anderson, em vídeo que viralizou na internet.

Nem mesmo quem ouve parece acreditar em tamanha estupidez. Mas ele prossegue. “Nós podemos ter um mundo livre da Aids até o Natal. Ok, não seria totalmente livre da Aids, mas 90% até o Natal, se acreditarmos nisto”, afirma.

O pastor norte-americano ainda fala sobre relações bissexuais (não passam de “sodomitas”, segundo ele), diz que todos os gays são pedófilos e mostra orgulho em não ter nenhum homossexual (pelo menos assumido) em sua igreja, a Tempe's Faithful Word Baptist Church.

As declarações não passaram em branco. Nos Estados Unidos, a ONG Planting Piece (Plantando a Paz) resolveu levantar recursos para portadores do vírus HIV de um jeito curioso: a cada doação feita, um pedaço de carvão será enviado para o pastor - ideia inspirada neste conto de Natal aqui.

“O pastor Anderson pedindo pela execução dos gays é um lembrete de quanto ódio e fanatismo ainda existe na nossa sociedade", disse o presidente da Planting Piece, Aaron Jackson, à versão norte-americana do The Huffington Post.

Steven Anderson já demonstrou pouca inteligência em outros momentos. Em 2009,disse odiar o então recém-eleito presidente Barack Obama exclusivamente por ele ser negro. Já as mulheres que tomam anticoncepcionais são “prostitutas de sangue verde” para o pastor.


 

Brasil Post