Partidos financiaram atos do MBL pró-impeachment, mostram áudios

Partidos financiaram atos do MBL pró-impeachment, mostram áudios

O Movimento Brasil Livre (MBL), entidade criada em 2014 e que é líder dos movimento a favor do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), recebeu apoio financeiro de partidos políticos. É o que mostram áudios publicados nesta sexta-feira (27) pelo portal UOL.

O PMDB e o Solidariedade, por exemplo, teriam ajudado o movimento com a impressão de panfletos e o uso de carros de som. O grupo também negociou com a Juventude do PSDB ajuda para caravanas, como o pagamento de lanches e também aluguel de ônibus. O DEM também foi citado.

O MBL, nas suas redes sociais, se definia como apartidário e sem financiamento de partidos políticos. Os líderes do grupo também faziam campanhas permanentes para receber ajuda financeira de pessoas físicas, sem ligação com partidos.

Leia a transcrição dos áudios

Coordenador do MBL, Renan Santos, fala sobre ligação do MBL com partidos políticos

"O MBL acabou de fechar com o PSDB, DEM e PMDB, uma articulação para eles ajudarem... (pausa) - e também a com a Força Sindical, que é o Paulinho, né - para divulgar o dia 13 usando as máquinas deles também, enfim usar uma força que a gente nunca teve, e foi o MBL que montou isso. A gente está costurando, agora, com todos eles para ter o impeachment. A gente está em outra. A gente realmente está causando problemas para Dilma"

Renan confirmou ao UOL a veracidade do áudio

Ygor Oliveira, da Juventude do PSDB-RJ, fala de parceria com o MBL

"Aqui, no Rio de Janeiro, foi feita uma parceria entre o MBL, na pessoa de Bernardo Sampaio (coordenador do MBL), e na minha pessoa Ygor Oliveira, pela Juventude do PSDB. Fizemos uma... um projeto de de a JPSDB captar com amigos, colaboradores o valor referente a hospedagem, alimentação, no translado, entre outras despesas, e o MBL chegar com o ônibus. O Bernardo conseguiu captar 50% do valor envolvido no ônibus, e ficou pendente 50%.

A JPSDB conseguiu captar os que precisava para alimentação e hospedagem. Além disso, o Bernardo também conseguiu nos ajudar com alimentação, com kit lanche para viagem, então estava tudo arrumadinho, bonitinho até ontem, só que, os outros 50% pendentes de ônibus, algumas pessoas que propuseram a ajudar o MBL declinaram, disseram que não iam conseguir ajudar.

Com isso, o MBL não tem recursos hoje para arcar com 100% do ônibus. Foi isso o que ocorreu, não é maldade do MBL estar furando com o PSDB, não, houve uma questão simplesmente dos financiados declinaram, ponto, é isso".

Ygor confirmou ao UOL a veracidade do áudio

A posição do PMDB

O presidente da Juventude do PMDB, Bruno Júlio, afirma que o material foi pago pelo partido e entregue ao MBL, que distribuiu para suas sedes regionais e espalhou por todo o país. "O MBL auxiliou na logística, distribuindo os panfletos e colando cartazes, mas a Fundação Ulysses Guimarães pagou porque se tratava de uma campanha nossa, da Juventude do PMDB, que nós encampamos", explica. Os dizeres eram: "Esse impeachment é meu".

Procurada, a assessoria do atual secretário-executivo do PPI (Programa de Parcerias e Investimentos) do governo interino, Moreira Franco, disse, no primeiro momento, que o ex-ministro da Aviação Civil do governo Dilma não se recordava se teria pago ou não pela impressão. Posteriormente, negou que o pagamento.

Solidariedade e DEM

A assessoria de imprensa do Solidariedade confirmou a parceria: "O apoio do Solidariedade ao MBL foi com a convocação da militância para as manifestações do impeachment, carro de som nos eventos e divulgação dos atos em nossas redes." Já o DEM informou que atuou em conjunto com o MBL, mas negou qualquer tipo de ajuda financeira ou apoio material ao movimento.

PSDB

Ao UOL, o MBL confirmou a "aproximação ao PSDB". Em nota, Renan Santos, coordenador nacional do movimento e filiado ao PSDB entre os anos 2010 e 2015, afirmou que "o MBL não criminaliza a política nem os políticos. A aproximação com as lideranças (políticas) foi fundamental para pavimentar o caminho do impeachment".

 

 

 

 

O tempo