Parar de fumar faz bem para o bolso do fumante

Parar de fumar faz bem para o bolso do fumante

Para os que fumam muitos cigarros ao dia, o vício do cigarro, além de fazer um grande mal à saúde, afeta de forma significativa o bolso do fumante. O cigarro no Brasil é um produto que sofre as maiores taxas de impostos, com um valor médio entre R$ 4 e R$ 7,00. Assim, para os fumam que fumam pelo menos vinte cigarros ao dia, o custo é em média R$ 230,00.

Em muitos casos, porém, essa pode ser uma excelente motivação para abandonar o vício do cigarro. A pessoa percebe o quanto o dinheiro está fazendo falta e começa a pensar no que poderia fazer com a quantia que é desperdiçada todos os meses em cigarros. Pode ser uma viagem, um produto ou qualquer outra coisa. Mas no fim do ano, a pessoa que fuma um maço de cigarros ao dia, terá desperdiçado algo em torno de R$ 2.760,00. Para quem é fumante, é importante pensar dessa maneira, já que o bolso é quem sofre com isso.

Que se diga de passagem, deixar de fumar é algo que faz bem em todas as suas formas. Seja no aspecto da saúde, da aparência, da qualidade de vida, na prevenção de doenças, em especial o câncer, ou na saúde financeira. A nicotina faz com que os fumantes fiquem dependentes, sendo esse o principal motivo que os faz gastar tal quantia de dinheiro comprando cigarros. É algo que o próprio corpo pede. De acordo com cientistas, uma pessoa pode ser considerada viciada em cigarros depois de fumar quatro unidades em um só dia.

No entanto, na maioria das vezes a economia não consegue, por si só, ser o fator decisivo na hora de largar o cigarro. É importante pensar nela, mas é importante, igualmente, procurar algum tratamento ou remédio para parar de fumar, já que as recaídas são bastante recorrentes em relação aos fumantes, e a nicotina é algo que realmente vicia. Vários tratamentos tem se mostrado capazes de auxiliar o fumante no processo de parar de fumar. Tratamentos de reposição de nicotina como chicletes, pastilhas e adesivos auxiliam neste processo com baixos índices de eficácia já que estes tratamentos podem durar até 10 semanas, outro ponto importante é que não são recomendados para pessoas com problemas cardiovasculares.

 

 




MaisPB