Paraíba tem mais de 10,4 mil catadores de lixo; Muitos deles vivem em extrema pobreza

Paraíba tem mais de 10,4 mil catadores de lixo; Muitos deles vivem em extrema pobreza

Mais de 10,4 mil paraibanos trabalham como catadores e catadoras de lixo. É o quarto estado da região Nordeste em número desses profissionais. Desse total, 7,9% de catadores de lixo são considerados residentes extremamente pobres.

Para fins de alguns programas sociais, como o Bolsa família, considera-se em situação de extrema pobreza o domicílio em que a soma de renda de seus integrantes, dividida pela quantidade de pessoas que residem no domicílio e dependam dessa renda não ultrapasse a marca de R$ 70,00.

A região Nordeste concentra 116 mil e 528 pessoas desse universo, o que representa 30,6% do total de catadores no Brasil. O estado da Bahia possui o maior contingente da região nordestina, com 34.107 habitantes. Juntos, Bahia, Pernambuco e Ceará concentram 63% desses trabalhadores na região.

Conforme Censo Demográfico de 2010, 387 mil e 910 pessoas se declararam catadores lixo em todo o território brasileiro. "Porém este valor pode estar abaixo do quantitativo real em função de algumas dificuldades na coleta de dados durante a pesquisa do Censo", explica o Ipea.

Um estudo, coordenado por técnicos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), revela que cerca de 30% dos catadores de lixo de todo o país estão na região Nordeste (116 mil pessoas), a maioria em áreas urbanas. O Ipea é uma fundação pública vinculada à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Esse número não se distancia muito do estimado no Diagnóstico sobre Catadores de Resíduos Sólidos realizado pelo Ipea em 2012, que apontava a possibilidade de um intervalo entre 400 mil e 600 mil catadoras e catadores.

Sergipe e Piauí são os que apresentaram o menor número de pessoas que declararam trabalhar como catadores, com 4.081 e e 4.728, respectivamente.

A média de idade entre as pessoas que se declararam exerce a atividade de coleta e reciclagem no Brasil é de 39,4 anos. Essa média varia pouco entre as regiões. No Nordeste, por exemplo, a idade média desse público é de 38,3 anos.

 Na Paraíba, 49,9% dos catadores estão situados na faixa etária entre 30 e 49 anos. Outros 4,2% situam-se abaixo dos 17 anos. E 5,2% são maiores de 60 anos. Dos catadores do Estado, 66% são homens e 34% mulheres. Do total, 71,8% dos catadores de lixo na Paraíba se declararam pretos e pardos, contra 28,2% informaram que são brancos e de outra cor.

Nas famílias, num aglomerado de 39.463 paraibanos há pelo menos um catador ou catadora de lixo. Nesse contexto, 52,1% das crianças são dependentes dos seus familiares catadores e catadoras.

Os dados do Censo do IBGE indicam que a renda média em 2010, segundo os próprio trabalhadores, era de R$ 571,56. O salário mínimo na época era de R$ 510,00. Na região Nordeste, a renda médica é de R$ 459,34 - cerca de 10% inferior ao salário mínimo nacional.

Na Paraíba, a situação é a pior do Nordeste em termos dos salários pagos a catadores de resíduos sólidos. Na média, paga R$ 391,93.

No Rio Grande do Norte registra-se o maior salário, em torno de R$ 542,37; Pernambuco vem em seguida, com R$ 494,14; Bahia paga R$ 458,55; Alagoas chega a R$ 455,36; Piauí fica em R$ 445,19; Ceará chega à uma média de R$ 445; Maranhão paga R$ 431,18; Sergipe tem salários médios de R$ 425,88.

O levantamento ainda destaca que 90,1% moram em áreas urbanas e 9,9% em zona rural.

Há muita variação entre os estados da região Nordeste, pois, mais da metade se situa entre 30 e 49 anos. Aproximadamente 4,0% do total ainda não atingiu a idade adulta e e 15% encontra-se entre 18 e 29 anos, idade utilizada como referência para as políticas de juventude. A população de catadoras e catadores acima de 60 anos na região está próximo de 5%, idade considerada prioritária para as políticas de assistência e previdência social.

Os dados, obtidos com base no Censo Demográfico de 2010, estão na publicação Situação social das catadoras e dos catadores de material reciclável e reutilizável.


Fonte: G1