Papa se encontrou com ex-presidente Fidel Castro, diz Vaticano

Papa se encontrou com ex-presidente Fidel Castro, diz Vaticano

O Papa Francisco se encontrou com e ex-presidente de Cuba, Fidel Castro, neste domingo (20), e fez uma visita ao líder revolucionário de 89 anos em sua casa em Havana, de acordo com um porta-voz do Vaticano.

Segundo o padre Federico Lombardi, a reunião entre Francisco e o ex-presidente teria durado entre 30 e 40 minutos e ocorreu em um "ambiente muito familiar e informal", com a presença da esposa do líder cubano, Dalia Soto del Valle.

O encontro foi realizado durante a visita do Papa Francisco à Cuba, que chegou ao país neste sábado (19)

Fidel Castro, irmão mais velho do atual presidente de Cuba, Raul Castro, esteve à frente do governo cubano desde 1959, até renunciar por questões de saúde primeiramente em 2006, e então, de forma definitiva, em 2008.

Missa
Francisco pediu neste domingo em sua homilia durante a missa na Praça da Revolução de Havana que os cubanos sirvam às pessoas, e não às ideias, e insistiu que a importância das nações se mede em como atendem as necessidades dos mais desfavorecidos.

O pontífice disse que o povo cubano tem "vocação de grandeza" e afirmou que deve cuidar especialmente dos mais frágeis.

"A importância de um povo, de uma nação, a importância de uma pessoa sempre se baseia em como serve à fragilidade de seus irmãos", continuou o papa, que dedicou sua homilia aos cristãos. "Todos estamos convidados a cuidar uns dos outros por amor".

O pontífice celebrou a eucaristia diante de milhares de cubanos que o esperavam desde o começo da manhã. Ele circulou para cumprimentá-los mais de perto a bordo de um papamóvel conversível de fabricação cubana.

Negociações
Francisco também pediu durante a celebração que o governo da Colômbia e os guerrilheiros das Farc garantam que as negociações de paz que já duram três anos sejam bem sucedidas, pondo fim a uma "longa noite" de conflitos.

"Por favor, não temos direito de permitir outro fracasso neste caminho de paz e reconciliação", disse o papa durante uma missa campal na Praça da Revolução, em Havana, para logo depois agradecer ao presidente cubano Raul Castro por seu apoio a este diálogo.

O presidente colombiano Juan Manuel Santos colocou sua reputação em jogo ao buscar um pacto com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), tentando colocar fim à insurgência mais longa da história da América Latina, que já matou 220 mil pessoas e deslocou milhões ao longo de 50 anos.

"Que o sangue vertido por milhares de inocentes durante tantas décadas de conflito armado (...) dê sustentação a todos os esforços que estão sendo feitos, inclusive aqui nesta bela ilha, para uma definitiva reconciliação. Assim, essa longa noite de dor e de violência poderá se transformar em um dia sem anoitecer", disse Francisco.

 

 

G1