Oposição faz assembleia para tentar anular eleição do Clube dos Oficiais da PB; 'houve irregularidades'

Oposição faz assembleia para tentar anular eleição do Clube dos Oficiais da PB; 'houve irregularidades'

Oposição faz assembleia extraordinária no Clube dos Oficiais neste sábado (12) para tentar anular o pleito do dia 17 de novembro que culminou com a polêmica aclamação do Coronel Francisco. O coronel Costa, que tentava concorrer no pleito, afirmou que já entrou na Justiça para anular o pleito e ‘enquanto isso não acontece, vamos decidir por aqui’.

Em entrevista ao programa Cidade em Ação da TV Arapuan, o coronel afirmou que está reunido com oficiais da Polícia Militar e Bombeiros Militar numa assembleia devidamente convocada para discutir a forma como ocorreu o pleito eleitoral do dia 17. “Entendemos que não aconteceu de acordo com o estatuto e houve irregularidade na aclamação. Quem aclamou o atual presidente foi a Comissão eleitoral e não a assembleia geral que é este órgão que está reunido”, afirmou.

De acordo com Costa, a chapa do coronel Francisco alegou que a oposição não tinha quórum necessário de participação em assembleias para ser votado: “Eu tenho quórum, participei com mais alguns candidatos da nossa chapa e não foi dado direito a recurso desse deferimento (da chapa). No dia 16 (um dia antes do pleito) ele (coronel Francisco) publicou um edital e quando chegamos fomos surpreendidos com o processo de aclamação. Colocamos no livro de presença pela não aclamação e a Comissão eleitoral elegeu a outra chapa, não cabia a ela isso, cabia apenas proclamar. Estamos aqui para anular o processo que consideramos anti-estatutário”, disse.

O coronel Costa explicou que segundo o estatuto, qualquer oficial pode se candidatar se participar das assembleias e reclamou que estas eram convocadas por classificados no jornal, “em vez de publicar no boletim ou mandar circulares de forma que tomasse conhecimento claramente. Não aconteceu e estamos indignados, reunidos em assembleia”, destacou.

Esta assembleia de hoje foi convocada com assinatura de mais de 200 oficiais e afirmou que o coronel Francisco não está presente porque não quis.

“Hoje temos mais de 900 sócios da PM e Bombeiros e a grande maioria é contra ele, é contra essa forma de processo de aclamação e perpetuação no poder sem a vontade dos sócios”, reclamou.

Além da forma estatutária, o coronel afirmou que a oposição tem ações judiciais em andamento, e que vários oficiais da chapa indeferida entraram em ação também visando anular o pleito eleitoral. “Estamos aguardando a Justiça se posicionar, leva certo tempo e enquanto ela não decide vamos decidir por aqui”, afirmou.

A assembleia continua e deve programar uma nova assembleia para discutir a questão jurídica para reivindicar o direito que, segundo eles, os pertence. 


Marília Domingues / David Martins