Oposição tenta convocar Gleisi para CPI da Petrobras; PT mira em Aécio

Oposição tenta convocar Gleisi para CPI da Petrobras; PT mira em Aécio

Parlamentares da oposição protocolaram nesta quarta-feira (22) requerimento de convocação da senadora e ex-ministra da Casa Civil Gleisi Hoffmann para prestar depoimento à CPI mista da Petrobras. O PT também apresentou requerimento de convocação, para tentar levar à CPI o presidente do PSDB e candidato à Presidência, Aécio Neves, além de outros parlamentares e dirigentes do partido.

arte petrobras (Foto: Editoria de Arte/G1)

Gleisi
O requerimento que trata da convocação de Gleisi Hoffmann – apresentado pelo líder do Solidariedade na Câmara, Fernando Francischini – é baseado em reportagem do jornal "O Estado de S. Paulo". Se convocada, Gleisi ficará obrigada a comparecer. Para que isso aconteça, os membros da CPI terão de aprovar o requerimento.

Segundo a publicação, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou durante delação premiada que o suposto esquema de corrupção instalado na estatal repassou R$ 1 milhão para a campanha de Gleisi em 2010, quando ela concorreu a uma vaga no Senado. A parlamentar negou ter recebido o dinheiro.

Paulo Roberto Costa foi diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras entre 2004 e 2012. Foi preso na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que investiga esquema de lavagem de dinheiro, mas após firmar acordo de delação premiada, passou a cumprir prisão domiciliar. Segundo a PF, ele operava juntamente com o doleiro Alberto Youssef, que também negocia acordo com a justiça em troca de diminuição na pena.

Costa e Youssef revelaram suposto esquema de lavagem de dinheiro e pagamento de propina que teria movimentado cerca de R$ 10 bilhões e beneficiado partidos governistas como PT, PMDB e PP. As legendas negam envolvimento.

Francischini destacou no requerimento que "a cada dia fica comprovado que o alto escalão do Partido dos Trabalhadores tinha conhecimento desse esquema bizarro, audacioso, inescrupuloso e surpreendente".

O deputado Carlos Sampaio (PSDB- SP) protocolou nesta terça-feira (21) pedido de convite a Gleisi e também ao seu marido, ministro das Comunicações Paulo Bernardo – por se tratar de convite, eles podem recusar. Segundo o jornal, Costa teria dito que Bernardo, então ministro do Planejamento durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, teria recebido o dinheiro endereçado à campanha da petista.

Aécio
Nesta quarta-feira, o PT também protocolou requerimento de convocações de dirigentes do PSDB, entre as quais a do presidente nacional da legenda e candidato à Presidência da República Aécio Neves.

O requerimento de convocação do presidenciável, assinado pelo deputado Afonso Florence (PT-BA), cita depoimento prestado por Leonardo Meirelles, suposto testa de ferro de Alberto Youssef nas indústrias farmacêuticas Labogen.

À Justiça Federal de Curitiba, Meirelles disse que o doleiro mantinha negócios com o PSDB e com o ex-presidente nacional do PSDB Sérgio Guerra, morto em março.

Nesta quarta, o advogado de Youssef, Antônio Figueiredo Basto, negou que o doleiro tenha negociado com Guerra ou com outro político do PSDB. Ele pediu à Justiça Federal uma acareação entre seu cliente e Leonardo Meirelles. O juiz Sergio Moro, que cuida da Operação Lava Jato, ainda não se pronunciou se aceita ou não a solicitação.

Florence, no requerimento, argumenta que o depoimento de Aécio Neves, na condição de presidente do PSDB, é "fundamental" para elucidar "atos de corrupção que foram efetivamente praticados". "Ao mesmo tempo em que possibilitará ao depoente defender a agremiação que preside", completou o deputado.

 

O petista também protocolou pedidos de convocação do tesoureiro do PSDB, Rodrigo de Castro; do tesoureiro da campanha presidencial do partido em 2010, José Gregori; do deputado federal Luiz Carlos Jorge Hauly (PR) e do senador Álvaro Dias (PSDB-PR).

A convocação dos parlamentares se deve à declaração de Meirelles de que ele teria ouvido, durante conversa telefônica, Youssef citar “um outro parlamentar tucano” da mesma região do doleiro, casos dos paranaeses Hauly e Dias.

Risos
Durante a sessão da CPI mista nesta quarta-feira, Florence provocou risos dos demais colegas, a maioria da oposição, ao dizer que o "coração valente da presidenta Dilma" está enfrentando "de frente" as "calúnias" plantadas pelo PSDB durante a campanha presidencial. "Estão tentando me confundir. Estão me provocando", reclamou o deputado.

O relator da CPI mista, deputado Marco Maia (PT-RS), ironizou o eventual envolvimento do PSDB no esquema. “A principal noticia da semana é o envolvimento do PSDB no processo de roubo e corrupção da Petrobras. Não estando dentro, já tem essa participação, imagina se estivesse dentro”, disse o petista.

O deputado federal Izalci (PSDB-DF) reagiu e, durante a sessão, disse que tentará convocar o ex-ministro Antonio Palocci e a presidente Dilma Rousseff. Esses requerimentos, porém, ainda não foram protocolados junto à secretaria do colegiado.

“Quero também informar que, segundo depoimento de Paulo Roberto Costa, o senhor Antonio Palocci pediu R$ 2 milhões para a campanha da presidenta Dilma. Então, estou fazendo também um requerimento para convocá-lo, e também a presidenta Dilma, para falar sobre esse assunto aqui, na CPMI”, afirmou o tucano.

 

G1