Opinião: Dunga ainda não entendeu: seleção não é filho, é amante!

Opinião: Dunga ainda não entendeu: seleção não é filho, é amante!

E eis que, quando perguntado sobre possíveis brasileiros torcendo contra a seleção, antes do jogo diante da Argentina, Dunga rechaçou: "Aposto que o torcedor não irá contra a seleção brasileira, porque a seleção é como um filho: você pode dar bronca, mas jamais deixa de amar". Fiquei cá pensando: ou ele não entende de filhos ou não entende de seleção. Só que ele é pai de três. E levantou Copa do Mundo com a amarelinha. E agora?

Sobre filhos, Dunga deve ser um bom pai. Estou certo de que seus rebentos conhecem o sorriso e a ternura que a persona pública do gaúcho não nos entrega. Resta a seleção. E acho que Dunga entende sim o escrete, mas pelo lado de dentro, o lado de quem faz. Mas estou cada vez mais convencido que ele não compreende o que é a seleção brasileira para os torcedores. A seleção não é filho. É amante.

Filho é o clube, para o qual a gente torce em qualquer fase, com craques ou bagres, disputando um título ou lutando na zona do rebolo. Amamos nosso time mesmo que ele nos maltrate, que despreze nossos conselhos, que nos mande calar a boca quando o repreendemos. Amor incondicional. Filho é o "meu guri" da música do Chico. Daremos comida a ele nos cárceres do rebaixamento, nos camburões da Terceirona, nas páginas marrons dos jornais.

A seleção é diferente. A gente quer prazer e gozo. Nossos encontros são sazonais, não esperamos outra coisa que não uma tarde de passeio no parque, um jantar de gala, uma noite de amor. Ao avesso do clube, esse amor depende. Toma lá, dá cá, ganha-ganha. Não venha com frieza, essa coisa molenga!

Há muito que essa transa seleção-torcedor tem a temperatura dos casamentos arranjados. Sexo polar. Dunga, se é pra oferecer esse futebolzinho, pensando apenas em classificar o time para a Copa, mesmo que seja em quarto lugar, a torcida vai fazer a fila andar...

 

 

ESPN