Olimpíada do Rio tem seu primeiro caso de doping

Olimpíada do Rio tem seu primeiro caso de doping

A Olimpíada do Rio de Janeiro tem seus primeiros casos de doping. A reportagem do jornal O Estado de S.Paulo obteve informações confidenciais de que a nadadora chinesa Chen Xinyi foi pega no exame antidoping e levou seu caso à Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês), que a julgará ainda na noite desta quinta-feira.

A coleta da amostra de seu sangue não ocorreu no Brasil. Mas ela viajou ao Rio de Janeiro sem saber que o teste havia dado positivo. Ela acabou sendo informada há dois dias e decidiu levar o caso à CAS para tentar reverter a suspensão. Nascida em 1998, ela concorreria às provas do 50 metros livre e 100 metros borboleta.
O primeiro caso chinês abre ainda as críticas de concorrentes que, nos últimos dias, vinham alertando sobre a possibilidade de nadadores chineses estarem competindo dopados.

Além dela, a atleta búlgara Silvia Danekova foi alvo de um teste que detectou EPO em seu sangue. Com 33 anos, ele competiria na segunda-feira, na prova dos 3 mil metros.

Os testes ocorreram logo que ela chegou ao Rio, no dia 26 de julho. A corredora foi suspensa e agora aguarda os resultados da segunda análise de suas amostras. O Comitê Olímpico Búlgaro confirmou a informação. Mas o Comitê Olímpico Internacional (COI) mantém ainda um silêncio, até que o segundo teste seja realizado.

Marcado pelo escândalo dos atletas da Rússia, os Jogos no Rio representam um teste para a política do COI de combate ao doping. Nesta sexta-feira, as competições do atletismo começam sem a participação dos russos e diante de dúvidas sobre outras delegações.

A própria equipe búlgara tem sido alvo de diversos casos de doping desde 2008. Atletas como Tezdzhan Naimova, Inna Eftimova, Daniela Yordanova, Vanya Stambolova, Teodora Kolarova, Venelina Veneva e Andrian Andreev foram alguns dos esportistas pegos do doping. No Rio, toda a equipe de levantamento de peso do país também foi suspenso.

Além do caso da búlgara, o Rio-2016 registrou na quinta-feira a expulsão de um dos técnicos da equipe do Quênia. Ele foi pego ao testar se passar por um dos atletas no momento que uma coleta de urina iria ocorrer.