Obstetra campinense foi quem descobriu nova causa de microcefalia em bebês

Obstetra campinense foi quem descobriu nova causa de microcefalia em bebês

A médica campinense Adriana Melo, especialista em medicina fetal, tem sido destaque em toda a mídia do País depois do surgimento na região Nordeste de um estranho surto de microcefalia em recém-nascidos, cujas causas não se enquadrava em nenhum registro científico da doença. 

Foi ela a responsável por uma inédita descoberta - a de que o mal tem origem na picada do mosquito Aedes Aegypti e se instala no organismo das parturientes a partir do vírus Zika.

A mais recente edição da revista ‘Isto É’ mostra a história especial dessa obstetra que trabalha no Instituto Elpídio de Almeida (ISEA), a antiga Maternidade Municipal de Campina Grande.

Diz a revista que para a maioria das mulheres, a gravidez é um momento literalmente mágico. Um espaço para as mais doces e livres projeções sobre o futuro dos filhos. Mas, não tem sido assim com centenas de mães que moram em Pernambuco e em outros seis Estados do Nordeste. Nos últimos meses, elas foram obrigadas a confrontar a realidade cedo demais. Nos primeiros exames de imagem feitos durante a gestação (ou logo após o parto) descobriram que seus bebês sofriam de uma malformação cerebral conhecida como microcefalia, que compromete gravemente o desenvolvimento da criança.  

O perímetro da cabeça desses bebês, no nascimento, é inferior à média normal de 34 centímetros. Em cerca de 90% dos casos, essa condição provoca algum tipo de deficiência mental. Outras consequências costumam ocorrer, como crises de epilepsia, dores de cabeça e nas articulações, visão prejudicada, surdez, problemas intestinais.

A microcefalia sempre foi uma doença rara, causada por radiação, consumo de drogas pelas gestantes ou infecção por bactérias e vírus. Por alguma razão desconhecida, a anomalia se tornou expressivamente mais frequente no país. Até a semana passada, 399 casos haviam sido informados ao Ministério da Saúde. Quase o triplo das 147 notificações de 2014.

 

CAUSAS DESCOBERTAS EM CAMPINA GRANDE

Nos quatro anos anteriores, o padrão se manteve em torno de uma centena de casos e o alerta ganhou corpo quando as autoridades revelaram a principal suspeita, descoberta a partir do trabalho irrepreensível da médica campinense: a infecção das mães pelo vírus zika (novo no Brasil e transmitido pelo mesmo mosquito da dengue) seria a responsável pelo surto.

O Ministério da Saúde revelou que o vírus foi detectado no líquido amniótico (o fluido que envolve o feto) extraído de duas gestantes da Paraíba. Isso fecha o diagnóstico? “Quase. Ainda há uma pequena margem de dúvida”, diz o diretor de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch.

A associação entre o vírus e a ocorrência de microcefalia nos bebês é inédita no mundo. Se for comprovada, significará um grande feito científico e uma enorme fonte de preocupação. Num país infestado pelo mosquito Aedes aegypti, onde o vírus zika já circula em 14 Estados (leia o quadro) e segue em franca expansão de território, engravidar pode se tornar uma escolha arriscada. “As mulheres devem pensar duas vezes”, afirmou Maierovitch.

Por trás do anúncio protocolar sobre o estudo realizado com as duas gestantes da Paraíba, há uma história singular, de incansável busca por respostas. Em setembro, a obstetra Adriana Melo, especialista em medicina fetal, começou a atender em Campina Grande casos que fugiam ao padrão. Tanto na clínica privada quanto no Instituto de Saúde Elpídio de Almeida ela se surpreendeu ao observar o cérebro dos embriões durante os exames de ultrassonografia. Além do crânio menor, em alguns casos não era possível identificar todas as estruturas do cérebro. Adriana notou a ausência de parte do cerebelo – a estrutura responsável pela manutenção do equilíbrio e da aprendizagem motora. Se essa região não se desenvolve, uma criança não consegue correr, andar de bicicleta, jogar bola. Novos exames, realizados três semanas depois, apontavam calcificações grosseiras e comprovavam que a cabeça não crescia.

Com dois doutorados e 17 anos de experiência, Adriana estava inconformada por não poder oferecer uma explicação às mães. Quando as autoridades de Pernambuco relataram um surto de microcefalia e informaram que as gestantes haviam tido manchas vermelhas na pele, Adriana começou a ligar os pontos. O mesmo sintoma ocorrera nas pacientes atendidas por ela na Paraíba. A médica convenceu as secretarias de saúde a custear a viagem de duas pacientes a São Paulo. Durante um congresso internacional de medicina fetal, elas foram examinadas pelo médico Gustavo Malinger, da Universidade de Tel Aviv, em Israel, um dos mais respeitados especialistas no mundo. Ele considerou que os casos realmente fugiam ao padrão e se surpreendeu com o fato de o Brasil, com mais de 200 notificações da doença, ainda não ter descoberto a razão do problema.

Adriana transformou o comentário incômodo em energia para persistir. No início de novembro, ela coletou as amostras do líquido amniótico na 28ª semana de gestação das duas pacientes em Campina Grande e enviou o material para análise na Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro. Três técnicas diferentes constataram a presença do material genético do vírus nessas amostras. Em visita ao Brasil, a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde, Margareth Chan, disse que a entidade acompanha as investigações. “É preciso enfatizar que a ligação com o vírus zika ainda não está determinada”, afirmou. “Precisamos continuar o trabalho.”

Na Paraíba, Adriana organiza um mutirão para estudar outras pacientes. “Tenho ouvido que só dois casos não comprovam nada, mas minha maior preocupação era orientar essas mulheres”, diz Adriana. “Para mim, elas não são números. É a mãe do Guilherme e a da Catarina.” Com menos de 35 anos e na 30ª semana de gestação, elas sofrem em silêncio. “A cada dia, elas têm de enfrentar uma notícia pior”, diz a médica. O conjunto de interrogações levou o governo federal a declarar estado de emergência em saúde pública.

A medida é justificável, na opinião do infectologista Marcos Boulos, diretor da Coordenadoria de Controle de Doenças da Secretaria Estadual de Saúde, em São Paulo. “O Ministério da Saúde tomou essa decisão pelo medo do escuro”, diz. “Não sabemos o que está acontecendo.” A medida permite, entre outras coisas, que os governos façam compras ou contratem serviços sem abrir concorrência pública. “Por enquanto não identificamos nenhuma necessidade de compra de materiais ou insumos adicionais”, disse Maierovitch. “Se essa necessidade surgir, compraremos sem licitação.” O esclarecimento dos casos não é simples.

 

 

 

Paraíba.com.br