O que os gringos estão falando sobre a crise no Brasil?

O que os gringos estão falando sobre a crise no Brasil?

Muito se fala sobre a crise brasileira aqui dentro. E no exterior? O que os veículos de mídia estrangeiros contam sobre o momento delicado que o Brasil vive sob o governo estremecido da presidente Dilma Rousseff?

Separamos abaixo um pouco do que os principais jornais do mundo têm falado sobre a crise por aqui. Ah! Durante nossa seleção, priorizamos veículos de grande alcance e que mantêm correspondentes em nosso País.

Faltou algum? Conta para a gente nos comentários.

Forbes

A publicação americana adotou um tom pessimista ao falar sobre a crise, que diz ser muito mais política do que econômica. "Não há solução a médio ou curto prazo para a crise, por causa da incerteza judicial que envolve o escândalo da Petrobras", afirma o texto.

"Há aqueles que acreditam que o impeachment ou a renúncia de Dilma ao cargo pode ser positiva e pode colocar um fim à crise. No entanto, isso pode ser como deixar a raposa cuidar do galinheiro."

A analogia de Kenneth Rapoza afirma que se, por um lado, a saída de Dilma do governo pode dar mais segurança ao mercado e despertar novos investimentos estrangeiros, por outro lado, o vácuo no poder político pode trazer ainda mais incertezas.

"Esses caras não são santos", afirma sobre o PMDB.

El País

Para os espanhóis, a crise brasileira é tripla: política, econômica e ética.

"É improvável que a pressão dos que exigem a saída de Rousseff por suspeitas de ter financiado sua campanha eleitoral com dinheiro de corrupção acarrete um impeachment, mas a tensão é evidente e pode desencadear mudanças nas alianças políticas."

De acordo com o editoral, publicado há uma semana, os próximos meses devem ser decisivos para a retomada do crescimento brasileiro. "É a hora da responsabilidade: para o governo, mas também para a oposição."

New York Times

"Uma cruzada anticorrupção varrendo o Brasil e encurralando importantes figuras políticas, uma após a outra, e jogando o país em convulsão em um momento que o estado de espírito nacional está azedando e a economia se recupera de uma recessão dolorosa."

Foi dessa forma que o jornal americano descreveu o momento que o Brasil atravessa. Escrito por Simon Romero, chefe da publicação no Brasil, o texto narra toda a trajetória de Dilma desde a reeleição, culminando na baixa taxa de aprovação do último mês.

"De qualquer maneira, muitos eleitores afirmam que Dilma é responsável por não reduzir a corrupção em seus próprio governo e por políticas que são vistas como responsáveis pelo agravamento da crise econômica."

Clarín

Eleonora Gosman, correspondente do jornal argentino em São Paulo, descreve a situação como de "fragilidade política que não cede".

Em outro texto, o Clarín comenta a importância do papel do presidente do Senado, Renan Calheiros, descrevendo o senador como "sócio-chave" do PT.

Guardian

O texto do jornal do Reino Unido questiona se as coisas podem ficar piores para Dilma e descreve a última semana como "a mais dura de sua presidência" e afirma que o Partido dos Trabalhadores luta para garantir a autoridade da mandatária e classifica o impeachment como "improvável".

"Os inimigos da presidente estão considerando vários pretextos, inclusive investigações em curso sobre irregularidades orçamentárias e violações no financiamento de campanha."

 

 

 

Brasil Post