‘Não podemos apostar todas as fichas na transposição’, diz Dom Aldo e pede esclarecimentos aos governantes

‘Não podemos apostar todas as fichas na transposição’, diz Dom Aldo e pede esclarecimentos aos governantes

O arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto, comentou em entrevista ao Sistema Arapuan de Comunicação, nesta segunda-feira (30), que o estado não pode mais “apostar todas as fichas” na Transposição do Rio São Francisco e apela que governantes “venham a público dizer o que está acontecendo”.

Dom Aldo afirmou que já existe um planejamento consistente, estruturante e que é só seguí-lo, para o combate a seca, porém “não prevíamos a que ponto chegamos na crise econômica e isso compromete a viabilidade, o compromisso, o tempo, os espaços e etapas necessárias para esse projeto ‘Viva a Água’ funcionar, mas o projeto existe”.

O arcebispo afirmou que diante das sugestões e probabilidades, “agora acabamos de ver que não podemos apostar todas as fichas na questão da transposição do São Francisco”, afirmou lembrando que a segurança hídrica é necessária e que é preciso encontrar quais meios a serem garimpados para garanti-la além da boa distribuição de água.

“Nossa responsabilidade como Igreja, tivemos um encontro alguns meses atrás com o governador e nossa preocupação é com os paraibanos e paraibanas. Queremos colaborar em tudo o que for possível, é questão de vida ou morte, onde há água existe vida, onde não existe água não é possível nenhum tipo de desenvolvimento nem progresso”, disse.

O religioso ainda apelou para que os governantes das três esferas, municipal, estadual e federal, que venham a público dizer o que está acontecendo e “onde vão alavancar os recursos sejam humanos, técnicos e sobretudo financeiros, ninguém previa a que ponto chegamos na crise financeira, que isso possa ser aviado para nos tranquilizar e segurar o pessoal na Paraíba”.

Dom Aldo avaliou a conjuntura nacional, afirmando que a situação é extremamente preocupante. “Estamos cabisbaixos, atordoados, mas se você fizer um comentário é retaliado, perseguido. É hora de suplicar de joelhos aos governantes, que venham e digam. Precisamos de orientações, esclarecimentos e atitude”, comentou.

Romaria – Dom Aldo ainda falou sobre a romaria de Nossa Senhora da Penha, afirmando que “foi boa, superou as expectativas e pediu muita segurança, paz de espírito, colaboração, superação da violência. Espiritualidade voltada a favor da vida da garantia da qualidade de vida da população”, concluiu. 

 

 


Marília Domingues / Fernando Braz