Na BA, crianças estariam entre reféns em motim

Na BA, crianças estariam entre reféns em motim

A rebelião no pavilhão 10 do Presídio Regional de Feira de Santana, que deixou pelo menos sete detentos mortos, continua na unidade. Pessoas são feitas reféns, mas não se sabe até o momento a quantidade. Informações policiais apontam que, entre elas, estão os parentes dos presos, dentre mulheres e crianças. A agitação começou no domingo (24), dia de visita. Entre os mortos, pelo menos um foi decapitado e cinco pessoas ficaram feridas.

As negociações foram encerradas por volta das 22h do domingo (24) e reiniciaram por volta das 7h desta segunda-feira (25), com a chegada da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal da cidade. Não houve ocorrência grave durante a madrugada.

Clériston Leite, diretor do presídio, informou que vai investigar as causas da rebelião, mas adiantou que a princípio começou após uma briga entre facções.

Como aos domingos são realizadas as visitas aos detentos, muitas famílias foram feitas reféns na rebelião. Entre os reféns, há mulheres e crianças.

Ainda segundo o policial, as mortes e ferimentos foram causadas em brigas entre os próprios presos. Os cinco feridos foram liberados pelos presos e encaminhados para o hospital Clériston Andrade, um deles em estado grave.

Os detentos exigiam a presença de representantes da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Feira de Santana para encerrar a rebelião. Por volta das 19h, a comissão chegou ao local, entretanto, os presos mudaram a posição e disseram que só vão começar a liberar os reféns e se entregar na manhã desta segunda-feira (25).

A rebelião começou por volta das 14h deste domingo por volta das 22h, o comandante da Polícia Militar de Feira de Santana, coronel Adelmário Xavier, informou que encerrou as negociações neste domingo, e que as conversas serão retomadas a partir das 7h desta segunda. Segundo o coronel, o clima é de tranquilidade dentro do presídio. O fornecimento de água foi cortado no local, mas o abastecimento de energia mantido.

O G1 tentou entrar em contato com a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap), mas não foi atendido.

Situação do presídio
De acordo com informações disponíveis no site da Seap, o presídio abriga 1.467 detentos, no entanto, só possui capacidade para 644. Com isso, 823 excedem a capacidade. Desse total, a grande maioria, 1.376, é de homens - 1.055 presos provisórios e 341 condenados. Das 91 mulheres, sendo que 49 provisórios e 42 condenados.

A Seap informa ainda que a unidade tem 13 pavilhões - 12 masculinos e um feminino. Dos próprios para homens, seis não estão em funcionamento. Três locais são improvisados para recebimento de presos em regime especial, como idosos e pessoas em regime semi-aberto.

Familiares de detentos aguardam do lado de fora do presídio. Segundo diretor do presídio, rebelião teria começado após briga entre facções 
 
 
 

 

G1