Mudança de postura faz Anderson Silva perder seu principal parceiro

Mudança de postura faz Anderson Silva perder seu principal parceiro

Quem apenas assistiu às lutas de Anderson Silva nos últimos cinco anos, ou viu suas aparições em todos os programas de TV de grande audiência, dificilmente sabe da existência de Hebert Mota. Mas quem acompanhou os bastidores da carreira do Spider, viu seu trabalho de perto, dificilmente consegue imaginar um sem ter o outro ao lado.

Mas agora essa cena será comum.

Hebert revelou ao blog que está encerrada uma das parcerias mais bem sucedidas no esporte brasileiro nos últimos anos, principalmente em termos de marketing. Os dois não trabalham mais juntos desde novembro passado, apesar de não ter acontecido nenhuma rescisão contratual oficial. Uma conversa foi o suficiente para dois caras que se consideram irmãos.

“Eu dei um tempo para ele depois da lesão, para ficar com a família, que era o que ele precisava. Ele começou a fazer coisas que eu não concordava, que não fazia sentido dentro do trabalho que tínhamos feito até aquele momento. Não posso ter um empresariado que fala uma coisa num dia e outra no dia seguinte. Os patrocinadores me ligavam cobrando e não sabia o que falar”, explica.

Mota é produtor musical e artístico, além de sócio de um importante estúdio musical em São Paulo. Conheceu Anderson sem querer, em 2009, na imigração de um aeroporto nos Estados Unidos. Uma troca de cartões virou um case de sucesso no esporte brasileiro. Uma conversa rápida mostrou a Anderson que Hebert poderia lhe ajudar no projeto de ter uma aposentadoria tranquila, afinal, já beirava os 40 anos.

O empresário nunca cuidou de marcar lutas (Ed Soares e Jorge Joinha eram os responsáveis), nem de treinamentos ou preparação. Seu projeto era transformar Anderson Silva em uma marca conhecida, não só dentro do esporte. Quando começaram o trabalho, por mais que ele já fosse campeão do UFC há muitos anos, era pouquíssimo conhecido em seu país. “Claro que tínhamos na mão um material humano incrível. O Anderson continuava vencendo, fazendo grandes lutas, mas ninguém sabia quem ele era. Mas vi o potencial que ele tinha.”

A parceria começou, de fato, em um momento de crise do Spider. Depois de vencer Demian Maia em 2010, mas ser muito criticado pela maneira com que tratou o rival, Hebert colocou Anderson para fazer um pedido de desculpas público no Domingão do Faustão. Foi a primeira grande aparição do lutador em rede nacional. Mas era apenas o começo.

O grande pulo do gato aconteceu quando Mota alinhou o acerto de Silva com a 9ine, agência de marketing esportivo recém-criada por Ronaldo no início de 2011. O chute frontal que nocauteou Vitor Belfort foi a grande alavanca para o trabalho da empresa e do assessor. A partir daí, ele se tornou quase onipresente em todos os programas de alcance nacional e não só de esporte.

A meta de Hebert era transformá-lo em um ídolo acima do MMA ou do esporte. Queria vê-lo como um personagem do entretenimento, alguém que fosse ser lembrado não apenas pelo o que fez como lutador, que suas amizades, suas frases, as roupas e relógios que vestia, seus encontros sempre fossem manchetes. Ele criou o que chamou de “marca Anderson Silva” com a meta de imortalizar o nome do maior campeão do UFC em todos os tempos.

O fim da parceria

A relação entre o dois, que se consideravam irmãos, começou a se desgastar depois da grave lesão que Anderson Silva sofreu contra Chris Weidman. Hebert se afastou do Spider para que ele pudesse passar sua dolorosa recuperação ao lado de sua família. Mas o lutador passou a fazer aparições e dar entrevistas sem conversar com ele antes, passando ideias diferentes das que eles vinham trabalhando nos anos anteriores.

“Ele fala que seu foco vai ser a carreira de ator. Como que vou explicar para o patrocinador que assinou com o Anderson lutador, com o Anderson atleta? Ele falou que poderia se aposentar, sua família estava pedindo para ele parar. Depois, disse que não queria ser mais campeão, que seu tempo com o cinturão tinha passado. Uma semana depois, muda de ideia. Se eu sou o responsável pela imagem dele, não posso trabalhar desta maneira. Então foi o momento de me afastar e respeitar minha própria imagem”, explicou Hebert.

Mota não concorda com as atuais decisões do Spider, da maneira que ele está se colocando na mídia e nem mesmo com os novos patrocínios que seu novo estafe conseguiu. “Tínhamos um patamar muito alto. Tudo que ele fazia ganhava destaque em sites do mundo inteiro, era manchete do UOL, da Globo, do USA Today, do El Pais… Agora não passa da seção de esporte. Não posso aceitar esse passo para trás. Tínhamos contratos de R$ 1,5 milhão por ano. Agora, li que o patrocínio de Furnas será de R$ 420 mil. Como assim?”

Apesar deste término que, se não foi conflituoso, deixou o agora ex-gestor da imagem de Anderson Silva magoado, Hebert não descarta retomar a parceria no futuro. “Não quero um pedido de desculpas. Mas se ele perceber que o trabalho que eu estava fazendo era bom, admitir que suas mudanças não fizeram bem para sua carreira, voltaria a trabalhar com ele com certeza. Mas se ele achar que agora está melhor, sem problemas também.”

Novos projetos

Hebert Mota continua trabalhando firme em seu estúdio em São Paulo e produzindo projetos artísticos. Mas ele já tem um novo parceiro firme depois deste fim com Anderson Silva. Ele agora está focado em ampliar a imagem de Daniel Zukerman, comediante que ficou famoso por suas invasões no programa Pânico. “Vou transformá-lo em um Jimmy Fallon brasileiro”, projetou o assessor, em uma previsão ousada. Mas depois do que ele fez com Anderson, eu não duvidaria.

 

 

 

 

Uol