MPT dá ultimato para Cruz Vermelha regularizar salários do Hospital de Trauma

MPT dá ultimato para Cruz Vermelha regularizar salários do Hospital de Trauma

O Procurador do Trabalho, Eduardo Varandas, determinou um prazo de dez dias para que a Cruz Vermelha, que administra o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena em João Pessoa, regularize os salários de seus funcionários.

A determinação foi feita na última quinta-feira (14) em audiência pública realizada na sede da Procuradoria Regional do Trabalho - 13ª Região, na Capital.

De acordo com o Procurador, o Ministério Público do Trabalho foi "procurado pelo Sindicato dos Profissionais da Saúde e foi relatado um caso preocupante" e solicitado para intervir no caso.

Varandas destacou que a Cruz Vermelha "não vinha cumprindo a convenção de salário e não estava pagando o piso da categoria". Os servidores do Hospital de Trauma, todos Celetistas, obtiveram reajuste em seus salários há nove meses e só agora que a empresa veio cumprir, mas está se recusando a pagar os atrasados.

Os plantonistas noturnos não estão recebendo as horas extras que lhe são de direito. E os plantonistas dos feriados também não estão recebendo a hora adicional nos termos da convenção coletiva. Bem como os técnicos de laboratórios não estão podendo optar pelas três jornadas permitidas onde cada uma destas tem remuneração diferenciada e que existem horas excedentes não estão sendo pagas há muito tempo e nem integram o banco de horas para fins de compensação.

Foi constatado também que a Cruz Vermelha não concede aos servidores os intervalos intrajornadas. E muitos deles têm que dobrar a sua jornada quando estão de plantão e que o adicional de insalubridade é pago menor do que é estabelecido aos funcionários. A Cruz Vermelha também cancelou o seguro de vida que é direito dos servidores, entre outros descumprimentos.

 

Da Redação com Assessoria