Mortes e depredação durante rebelião de presos em Patos

Mortes e depredação durante rebelião de presos em Patos

A rebelião iniciada pelos presos do Presídio Dr. Romero Nóbrega, em Patos, que teve início nesta segunda-feira, dia 25, por volta das 18:00h pode deixar um saldo de pelo menos 4 mortos. Essa informação foi repassada por familiares dos apenados através de ligações telefônicas.

Desde o início da rebelião, os familiares, amigos, curiosos e a própria imprensa sertaneja se concentram na entrada externa do Presídio Dr. Romero Nóbrega em busca de informações oficiais. Dentro do presídio estão bombeiros, equipes do SAMU e uma quantidade significativa de guarnições da Polícia Militar, além do comandante do 3º Batalhão de Polícia Militar – 3º BPM, Enéas da Cunha Rolim, os diretores do Presídio Romero Nóbrega e membros da Pastoral Carcerária.

A reportagem do Patosonline.com recebeu informações que um dos apenados que foi assassinado por presos teve partes do corpo decepado, precisamente a mão. A parte do corpo do apenado assassinado foi arremessada no pátio do Presídio como forma de intimidar as guarnições da Tropa de Choque que aguardam ordens para invadir as dependências do presídio.

Ainda de acordo com informações extraoficiais, os revoltosos pediram a presença de um juiz de direito, um membro dos direitos humanos e da própria imprensa. A todo o momento é constante a movimentação de veículos da segurança pública e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU.

Fora do presídio é possivel ver a fumaça dos vários colchões que foram incendiados como forma de impedir a passagem das equipes de segurança. As equipes dos bombeiros conseguiram apagar alguns focos, mas a fumaça continua.

O pai de um apenado, que pediu para não ser identificado, confessou a reportagem que os presos estão revoltados com o tratamento que vem recebendo por parte da direção, em especial do diretor adjunto de prenome Leonardo. O pai do apenado disse que o diretor-adjunto vem praticando atitudes humilhantes aos presos.

O comando da operação para conter a rebelião não designou nenhum responsável, até o momento, para dar informações à imprensa. Sem informações oficiais, os meios de comunicação estão colhendo informações de alguns informantes e até dos próprios apenados que fazem ligação telefônica de forma clandestina para os familiares que aguardam do lado de fora do Presídio Dr. Romero Nóbrega.

Também é grande a movimentação de parentes dos apenados no Hospital Regional de Patos. Os familiares aguardam o desfecho e que os feridos sejam removidos ao hospital ou mesmo para a Unidade de Medicinal Legal – UML.

Uma coletiva poderá ser concedida a imprensa nesta terça-feira, dia 26, pela coordenação da crise no Presídio Dr. Romero Nóbrega.

A redação do Patosonline.com ficará atenta para trazer maiores detalhes.

 

Jozivan Antero – Patosonline.com