Ministro do Turismo participa de ação contra o Aedes aegypti na Paraíba

Ministro do Turismo participa de ação contra o Aedes aegypti na Paraíba

O “Dia D” de mobilização contra o mosquito Aedes aegypti, realizado neste sábado (13) em todo o Brasil, mobilizou somente na Paraíba cerca de 1.600 militares. Os trabalhos educativos contra o transmissor da dengue, chikungunya e vírus da zika mobilizaram ainda, em parceria com o exército, as gerências regionais de Saúde, o corpo de bombeiros, escoteiros e profissionais da Infraero.

Foram realizadas ações em doze cidades paraibanas. Além de João Pessoa, as cidades de Bayeux, Santa Rita, Cabedelo e Rio Tinto, na Região Metropolitana da capital paraibana; Campina Grande e Guarabira, no Agreste; Serra Branca e Monteiro, na região da Borborema da Paraíba; e as cidades de Patos, Cajazeiras e Pombal, no Sertão, receberam intervenções da campanha nacional.

Em João Pessoa, o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Lyra Alves, participou de uma ação na Praça do Coqueiral, no bairro de Mangabeira, o mais populoso da capital paraibana, conforme dados do IBGE. Na oportunidade, oficiais do exército, agentes de saúde de João Pessoa, bombeiros militares, escoteiros e funcionários da Infraero realizaram ações educativas em vários pontos da cidade. Em toda Paraíba, foram 1.600 militares atuando em doze cidades.

O ministro aproveitou as ações do Dia D para destacar que até que seja concluído o desenvolvimento da vacina contra o vírus da zika, o governo federal deverá trabalhar na prevenção e diretamente com a informação. “Nós, do Ministério do Turismo, estamos enviando para mais 60 mil estabelecimentos cadastrados, como bares, restaurantes, hotéis e resorts, materiais informativos e educativos. Teremos as Olimpíadas neste ano e o Brasil quer mostrar para o mundo que é um país com a capacidade de promover um mega evento”, comentou Henrique Eduardo Alves.

Ainda de acordo com o ministro, o problema com o vírus da zika não afetou diretamente o turismo no Brasil. Ele usou como exemplo a movimentação em várias partes do país por conta do Carnaval. “Percebemos que as pessoas não deixaram de aproveitar, de viajar, para curtir o Carnaval. O evento, por si só, já atrai muita gente ao Brasil. Acho que isso equilibra qualquer eventual problema por conta do Aedes aegypti. Ainda assim, até por conta das Olimpíadas, o governo federal não vai contingenciar recursos humanos e apoio aos governos estaduais nessa guerra, que, como ressaltou a presidente Dilma, é vencer ou vencer”, explicou.

O major Melo Júnior, do 15º Batalhão de Infantaria, explicou durante a ação realizada neste sábado, especificamente na Praça do Coqueiral, em Mangabeira, que o trabalho do exército era realizar um trabalho de panfletagem e serviços de informação ao cidadão à respeito da gravidade do assunto.

Além disso, ainda na praça, o exército ofereceu oficinas para combate ao mosquito, como por exemplo, confecções de armadilhas, exposições de material para prevenção e espaço 'Kids' para crianças combaterem brincando. Há ainda atendimento hospitalar e corte de cabelo com barbeiros do exército. Os serviços foram oferecidos gratuitamente.

Durante a visita à Praça do Coqueiral, Henrique Eduardo Alves visitou as tendas montadas pelo exército para atender a população. Nas estruturas, os militares mostravam os kits usados no combate ao Aedes aegypti, além de entregar material informativo sobre os possíveis criadouros do mosquito. Em uma das tendas, o ministro, ao lado do governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, e do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, assistiram a uma apresentação de como produzir armadilhas caseiras contra o mosquito, feita por estudantes de escolas públicas da capital paraibana.

Ação nacional
Ao mesmo tempo, a presidente Dilma Rousseff participou de uma ação no Rio de Janeiro, enquanto outros ministros do governo federal também reforçam o dia nacional de combate ao Aedes aegypti nos demais estados brasileiros. O objetivo do governo federal é visitar 3 milhões de residências. A ação ocorre em 353 municípios.

A mobilização também conta com o apoio das Forças Armadas. Ao todo, 220 mil militares (160 mil do Exército, 30 mil da Marinha e 30 mil da Força Aérea) começam a atuar no mês de fevereiro no combate ao mosquito. Numa primeira etapa, eles deverão entregar panfletos com orientações para evitar a proliferação do mosquito. Em seguida, 50 mil homens visitarão casas para fazer inspeções.

Em novembro do ano passado, o governo declarou estado de emergência em saúde pública devido ao aumento no Nordeste dos casos de microcefalia, quadro em que os bebês nascem com o cérebro menor do que o esperado e que pode comprometer o desenvolvimento da criança.

As causas exatas do surto no Brasil ainda estão sendo investigadas, mas há fortes evidências de que o zika vírus tenha relação com o surto.

 

Ministro do turismo e o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (Foto: Felipe Ramos/G1)Ministro do turismo e o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, visitam casa em Mangabeira, em João Pessoa (Foto: Felipe Ramos/G1)









G1