Militante joga dólares de mentira na cabeça de Cunha durante entrevista

Militante joga dólares de mentira na cabeça de Cunha durante entrevista
Um manifestante jogou nesta quarta-feira (4) um balde de dólares de mentira na cabeça do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), durante uma entrevista coletiva no Salão Verde da Casa.
 
“Trouxeram sua encomenda da Suíça”, gritou o rapaz logo antes de jogar as cédulas, que trazem uma foto de Cunha no centro e contêm a inscrição do movimento Levante Popular da Juventude.

 

O homem foi detido logo em seguida por seguranças e levado para o Departamento de Polícia Legislativa da Câmara (veja vídeo abaixo). Cunha permaneceu em frente aos microfones e prosseguiu com a entrevista. Momentos antes, defensores de Dilma e grupo pró-impeachment haviam entrado em confronto no Salão Verde da Câmara (veja mais detalhes abaixo).
 
A assessoria de imprensa do senador Lindbergh Farias (PT-RJ), simpatizante do Levante Popular da Juventude, informou que o parlamentar foi avisado que o militante detido é Thiago Pará, secretário-geral da UNE e integrante do movimento. Até a última atualização desta reportagem o manifestante ainda prestava depoimento à Polícia Legislativa.

 

Enquanto o rapaz era detido, manifestantes favoráveis à abertura de processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff gritaram: “Fora, PT, fora PT!”. Eduardo Cunha disse que vai “restabelecer a ordem” na Câmara e afirmou que não vai se “intimidar” com a atitude de “um militante contratado”.

“Não vou, por causa de um militante encomendado aqui para fazer uma agressão, me intimidar, constranger. Ele foi contratado por alguém com um objetivo. Não vou pautar a minha atuação por causa de um militante. Vou impor a ordem à Casa, pode ter certeza disso”, disse.

 

Confusão entre militantes
Antes do ataque a Eduardo Cunha, assessores de parlamentares petistas e militantes favoráveis ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, que estão acampados no Salão Verde desde o último dia 28, entraram em confronto. A discussão começou quando a deputada Moema Gramacho (PT-BA) se colocou ao lado de um painel, instalado pela oposição no Salão Verde e quereúne assinaturas de deputados favoráveis ao impeachment.
 
Pouco antes, a petista apresentou uma questão de ordem ao presidente da Câmara pedindo a retirada do painel, que foi deferido pelo peemedebista. Portanto, ela teria se dirigido pessoalmente ao local para verificar a retirada.

 

Na versão da assessoria de imprensa da liderança do PT, Moema Gramacho começou, então, a ser hostilizada pelos manifestantes que defendem a cassação de Dilma. Um grupo de assessores do partido, entre os quais o jornalista da liderança do PT Jonas Tolocka, teriam se deslocado até o local para “defender” a parlamentar e tentado retirar o painel.
 
Houve reação dos manifestantes e começou um empurra-empurra. O deputado Alexandre Leite (DEM-SP) pediu a um segurança para retirar o crachá do jornalista, que acabou sendo levado para depor na Polícia Legislativa.
 
Na versão dos militantes, a confusão teria começado quando um assessor do PT tentou retirar o painel e agredir um dos defensores do impeachment de Dilma. Eles negaram que tenham agredido Moema Gramacho. “Não vamos reagir a provocações. Nós somos um povo ordeiro e continuaremos ordeiros”, disse Carla Zambelli, porta-voz da Aliança Nacional dos Movimentos Democráticos.

 

Sindicância
Posteriormente, o líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (DEM-PE), criticou, em plenário, a atitude dos assessores do PT de retirar o painel instalado pela oposição. Eduardo Cunha confirmou que autorizou a retirada, mas disse que isso não poderia ter sido feito por assessores do partido.
 
“A Casa não será alvo de permanentes panfletos. O que acontece é que foram executar a minha ordem na marra antes da polícia legislativa. Por isso, vamos instaurar uma sindicância e quem cometeu ato de violência vai ser punido”, disse Eduardo Cunha.
 

O presidente da Câmara também afirmou que não permitirá que nova confusão ocorra na Casa. “Foi autorizado [a permanência de] um número limitado, desde que ordeiro. Na hora em que perder a organização vai ser retirado. É uma área pública. Tem gente que acampa na rua. A gente vai negociando. Vou tentar, dentro da negociação, a possibilidade de restabelecer a ordem.”

 

 

 

G1