Mercadante: resultado da pesquisa CNI/Ibope é 'motivação'

Mercadante: resultado da pesquisa CNI/Ibope é 'motivação'
Em uma atitude inédita no governo Dilma Rousseff, o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, chamou a imprensa para fazer um comentário público do governo a respeito de uma pesquisa de desempenho da presidente. Mais cedo a Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou pesquisa trimestral encomendada ao instituto Ibope, na qual aponta uma queda de aprovação do governo Dilma de 43% para 36%.

 

“O governo recebe como uma motivação a mais para a gente trabalhar, trabalhar e trabalhar ainda mais duro para melhorar o Brasil e a vida do nosso povo”, afirmou o ministro.  

Mercadante fez menção a outra pesquisa do instituto Ibope, encomendada pela TV Globo e pelo jornal O Estado de S. Paulo. O levantamento previa cenários eleitorais e o ministro lembrou que a presidente tinha um percentual para vencer em primeiro turno. Nas entrelinhas, a leitura é a de que o governo entende que mesmo tendo se saído pior na pesquisa, o cenário é de reeleição, segundo as pesquisas com o mesmo recorte.

“É a segunda divulgação de uma mesma pesquisa, que foi a campo em meados de março. No dia 20 de março, neste trabalho de campo, essa pesquisa apresentou as intenções de votos que o instituto colheu junto à população. E que mostrava a presidenta Dilma, num cenário mais provável, de 43% das intenções de votos da população, o terceiro com 15%, o terceiro com 7%”, disse o ministro. “Ela tinha mais que o dobro das intenções de votos, vencia no primeiro turno as eleições e tinha uma intenção de votos que era superior à que o presidente Fernando Henrique  Cardoso e o presidente Lula detinham em igual período do seu governo”, acrescentou Mercadante.

A ministra Ideli Salvatti, da Secretaria de Relações Institucionais, disse que a pesquisa é um “retrato do momento” e que deve ser relativizada como as tensões enfrentadas pelo governo no Congresso.

“Relação com Congresso e pesquisa é a mesma coisa, uma hora sobe, uma hora desce, uma hora está tenso, uma hora está distensionado e tem aquela frase popular, ‘é o retrato do momento, é a fotografia do momento’. Agora, nós estamos convencidos do rumo que o país está, o rumo é extremamente adequado, melhorando a qualidade de vida, garantindo emprego, controle macroeconômico, investimento”, disse. “Estamos convictos de que estamos no caminho e um momento um pouco melhor e um pouco pior, isso é da vida. Da mesma forma como tem momentos de mais tensão e menos tensão aqui no Congresso”, acrescentou.

A queda na aprovação do governo Dilma, isto é, aqueles consideram ótimo ou bom, foi acompanhada por um aumento de 20% para 27% dos entrevistados que consideram o governo ruim ou péssimo. Desta maneira, a distância entre os percentuais de ótimo/bom para ruim/péssimo caiu de 23 para 9 pontos percentuais.

A pesquisa CNI/Ibope entrevistou 2.002 pessoas em 141 município entre os dias 14 e 17 deste mês. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Terra