Meninas de 13 anos denuncia estupro coletivo após festa junina

Meninas de 13 anos denuncia estupro coletivo após festa junina

adolescente de 13 anos, que foi estuprada por oito rapazes em Juiz de Fora, e a família dela foram encaminhadas para um local seguro como forma de preservá-las. Um vídeo feito pelo grupo e disponibilizado na internet também já foi incluído nas investigações.

“São imagens muito rápidas. Já temos este vídeo que foi publicado em um perfil de uma rede social e depois excluído. A pessoa que publicou já foi identificada e será chamada para prestar esclarecimentos”, ressaltou a delegada Ângela Fellet.

A adolescente e a família foram atendidos na Casa da Mulher. “A família recebeu as orientações para assegurar a integridade física e moral. Foram encaminhados para apoio psicológico e o suporte necessário. Vamos acompanhá-los de perto, porque, neste momento de fragilidade, é necessário trabalhar toda a família”, ressaltou a Coordenadora de Políticas Públicas para as Mulheres, Rose França.

Segundo o Conselho Tutelar, a apuração ocorre em sigilo e depois todos os fatos levantados serão encaminhados à Vara de Infância e Juventude.

De acordo com o Boletim de Ocorrência (BO), a adolescente contou que foi a uma festa junina na escola onde estuda, de onde saiu acompanhada por uma amiga e outros dois jovens. Eles foram a uma casa abandonada no Bairro Olavo Costa, onde disse que consentiram em ter relação sexual.

No entanto, a vítima relatou que oito suspeitos chegaram ao local e exigiram que as duas garotas fizessem sexo com eles. A amiga da vítima se identificou como irmã de um traficante do Bairro Vila Ideal e foi liberada junto com os dois rapazes.

A vítima contou que foi mantida no imóvel em cárcere privado e que teve relações com todos sob ameaça. Ela só foi libertada na manhã de domingo e registrou o caso. Ninguém foi localizado. De acordo com o BO, os exames do médico legista não constataram lesão na vítima resultante de relação sexual.

Depoimentos
Em depoimento nesta segunda-feira (27), a vítima acrescentou detalhes, segundo a delegada.

“Ela foi mantida presa pelo grupo das 20h de sábado (25) às 8h de domingo (26). Três estavam armados e eles deram bebida alcoólica a ela. Ressaltou que não conhece os autores, mas que a maioria aparentava ser adolescente e apenas um maior de idade”, disse.

Ainda faltam ser ouvidos a amiga e os dois jovens que estavam com a adolescente, quando o grupo os rendeu na casa no Bairro Olavo Costa. O objetivo é identificar os envolvidos para definir o encaminhamento da investigação.

“Quem for maior de idade responde a inquérito policial e, comprovando o envolvimento de adolescentes, haverá procedimento para apuração de ato infracional”, afirmou.

Primeiro caso como este, diz delegada
A identificação e a detenção dos oito envolvidos é prioridade da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher. “É o primeiro caso deste tipo que chega ao nosso conhecimento. Não vamos tolerar este tipo de atitude na cidade. A Polícia Civil vai prender todos os autores. Quem tiver informações que ajude deve ligar para o 181”, disse a delegada.

De acordo com Fellet, embora o BO tenha sido registrado como “outras infrações contra a dignidade sexual e a família”, o caso é de estupro de vulnerável.

A delegada destacou a necessidade de discutir sobre estupro coletivo. “É importante para chegar na causa destes crimes e não apenas lidar com as consequências. Precisamos discutir o machismo, o motivo de isso ocorrer contras as mulheres”, ressaltou.

 

 

 

 

G1