Marina apresenta Campos a 2 mil pastores evangélicos

Marina apresenta Campos a 2 mil pastores evangélicos
O ex-governador de Pernambuco e candidato à Presidência da República Eduardo Campos (PSB) ganhou um reforço na disputa pelo voto dos evangélicos. Através de sua candidata a vice, a ex-senadora Marina Silva, o socialista participou de um encontro, nesta segunda-feira (4), de portas fechadas, com 2 mil pastores da Igreja Assembleia de Deus, em São Paulo. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.
 
A reunião também contou com a participação do candidato à Presidência do PSC, o Pastor Everaldo, do mesmo partido do pastor e deputado Marco Feliciano, que, no ano passado, se tornou alvo de polêmica com o projeto da “cura gay” na Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal. Antes da chegada de Campos e Marina, o pastor Everaldo discursou entre os religiosos.
 
O Pastor Everaldo defendeu, em seu discurso, a posição dos evangélicos em temas como aborto e casamento gay. Marina não entrou nos temas polêmicos. Já Eduardo Campos preferiu focar nas suas propostas de ampliar o acesso dos jovens à educação em tempo integral. Ao lado dos evangélicos, o público jovem é um dos principais alvos da campanha socialista.
 
Marina Silva e o Pastor Everaldo são os únicos evangélicos que concorrem às eleições presidenciais. Os dois, apesar de estarem em ramos diferentes, são ligados à Assembleia de Deus. Visitas como a que aconteceu nesta segunda-feira (4) são consideradas estratégicas pelas campanhas, apesar de não serem divulgadas nas agendas oficiais dos candidatos.
 
Eduardo Campos e Marina Silva encontraram o Pastor Everaldo no saguão do Ministério do Belém, na Zona Leste da cidade de São Paulo. Nos bastidores, os pastores afirmam que a igreja deverá apoiar à candidatura de Everaldo. Há quem defenda, no entanto, a neutralidade nestas eleições. Muitos afirmam também que existe certa “simpatia” pela candidatura de Campos, que é católico.
 
O presidente do conselho político da Convenção Geral das Assembleias de Deus, pastor Lélis Marinhos, disse que Campos e Marina foram “muito bem recebidos”. Ele atribuiu a vice a ligação da chapa socialistas com os evangélicos. 
 
 
 
Diário de Pernambuco