Manoel Júnior é citado em inquérito que investiga grupo que achacou empresas

Manoel Júnior é citado em inquérito que investiga grupo que achacou empresas
O deputado federal Manoel Júnior (PMDB-PB) foi destaque na edição da noite desta segunda-feira, 2, do Jornal Nacional depois de ter sido citado no jornal Folha de S. Paulo como integrante de um grupo de nove deputados e ex-deputados aliados do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), formalmente investigado na Lava Jato sob suspeita de atuar em conjunto para achacar o grupo Schahin.
 
A chamada tropa de choque do peemedebista, da qual Manoel faz parte, foi incluída como investigada junto a ele no último inquérito aberto pelo STF contra Cunha, na semana passada, que é sigiloso.
 
O objeto são os crimes de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro. Dentre eles está André Moura (PSC-SE), um dos seus principais aliados.
 
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, suspeita que os parlamentares apresentaram requerimentos e atuaram na Câmara para pressionar o grupo Schahin, por causa de uma disputa com o corretor de valores Lúcio Bolonha Funaro, que é próximo a Cunha. Funaro também é investigado.
 
Dos nove alvos do inquérito, quatro atualmente exercem mandato: Moura, Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), Altineu Côrtes (PMDB-RJ) e Manoel Júnior (PMDB-PB).
 
Outros cinco não estão mais na Câmara: Alexandre Santos (PMDB-RJ), Carlos Willian (PTC-MG), João Magalhães (PMDB-MG), Nelson Bornier (PMDB-RJ) e Solange Almeida (PMDB-RJ).
 
A maior parte das provas apontadas no pedido de abertura de inquérito já havia sido tornada pública por Janot em dois documentos anteriores: o pedido de afastamento de Cunha da Presidência da Câmara e a ação cautelar de busca e apreensão contra Cunha e aliados.
 
Janot volta a citar nesse novo inquérito o caso de uma hidrelétrica em Rondônia que gerou a disputa entre Funaro e a Schahin.
 
A Schahin foi contratada pela Cebel (Centrais Elétricas Belém) para tocar a obra da hidrelétrica, mas uma barragem rompeu quando estava próxima da finalização. Funaro representa a Cebel em um procedimento arbitral no qual cobra prejuízos de cerca de R$ 1 bilhão da Schahin.
 
Segundo Janot, depois desse caso, aliados de Cunha passaram a frequentemente apresentar requerimentos de convocação e solicitação de documentos contra a Schahin, com o objetivo de pressionar a empresa pelo pagamento do prejuízo.
 
Um deles, por exemplo, foi um pedido de convocação do presidente da Schahin Engenharia, Milton Schahin, para uma das comissões da Câmara. O requerimento foi feito em 2009 pela então deputada Solange Almeida, que já se tornou ré junto a Cunha em uma ação penal da Lava Jato no Supremo por ter pedido documentos na Câmara que, segundo as investigações, eram para pressionar um lobista a pagar propina.
 
A PGR também cita a convocação dos dirigentes da Schahin pela CPI da Petrobras no ano passado, por requerimento do deputado Arnaldo Faria de Sá. Janot diz que eles foram "humilhados" pelos deputados. "Dentre os parlamentares mais agressivos estavam André Moura e Altineu", escreveu Janot.
 
A PGR contabilizou mais de 30 requerimentos apresentados por esses parlamentares que miravam a Schahin, pedindo contratos com a Petrobras, operações de câmbio, sinistros pagos por seguradoras, auditorias de órgãos de controle e convocações para depoimentos.
 
Além desse inquérito, Cunha é alvo de outros dois e também de duas denúncias. Em uma destas, virou réu.
 
Outro lado - Os deputados e ex-deputados dizem que a Schahin foi investigada por seu envolvimento com irregularidades e negam terem agido em conjunto com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha.
 
Cunha informou que os advogados ainda analisam o novo inquérito, mas que "identificou várias descrições ". O peemedebista tem negado envolvimento com irregularidades.
 
Já o paraibano Manoel Júnior declarou que a apresentação dos requerimentos foi feita dentro da prerrogativa parlamentar e que está à disposição do Ministério Público e da Justiça.
 
Altineu Côrtes (PMDB-RJ) diz que é adversário político de Cunha, que disputou a prefeitura de Itaboraí (RJ) contra o candidato dele e que fez críticas aos Schahin na CPI porque um deles foi "desrespeitoso" aos deputados.
 
O deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) disse que "não tinha nenhuma pretensão de pressionar a Schahin" e que os requerimentos foram apresentados a partir de notícias sobre irregularidades.
 
O ex-deputado João Magalhães (PMDB-MG) disse que seus requerimentos tinham "fundamento em graves crimes cometidos pelo grupo".
 
A defesa da ex-deputada Solange Almeida (PMDB-RJ) informou que ainda vai pedir acesso aos autos e que não há crime nos requerimentos.
 
O ex-deputado Carlos Willian (PTC-MG) disse que nunca tratou com Cunha dos requerimentos e que não entende por que será investigado.
 
A defesa de Funaro disse ao Supremo que "jamais" teria influência sobre Cunha e que a Schahin teve irregularidades comprovadas na Lava Jato. Os demais investigados não foram localizados.
 
 
 
 
 
 
 
 
com Folha de S. Paulo e Jornal Nacional