Manoel Júnior diz que Vital como Ministro do TCU terá condições de combater a corrupção no Brasil

Manoel Júnior diz que Vital como Ministro do TCU terá condições de combater a corrupção no Brasil

O deputado federal Manoel Júnior (PMDB-PB) elogiou a postura do senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) em sua vida pública e disse que o parlamentar, quando assumir o cargo de Ministro do Tribunal de Contas da União – TCU terá amplas condições de trabalhar para combater a corrupção no Brasil. Foi Manoel Júnior quem, em nome do PMDB Nacional, fez a apresentação da indicação de Vital, durante votação que escolheu seu nome para o TCU, na Câmara dos Deputados.

“Como seu correligionário e conterrâneo, apresento a indicação de Vital, sob a orientação do presidente nacional do PMDB, Eduardo Cunha, para este órgão de controle de contas, ligado ao Congresso”, disse Manoel Júnior, durante a csessão que aprovou a indicação de Vital para o TCU, em votação secreta, cujo resultado foi 313 votos favoráveis à indicação, 8 contrários e 8 abstenções.

Ele aproveitou que a votação foi realizada no dia dedicado ao combate à corrupção para externar a sua expectativa em relação à atuação de Vital no órgão máximo de controle de contas do País. “No dia em que o mundo comemora o combate à corrupção, nada melhor do que apresentarmos um nome que sabemos que tem condições de combater esse mal, que corrói nosso país, que tira comida da boca do pobre, tira a saúde e a infraestrutura precária”.

Antes da votação, representantes de diversos partidos anteciparam a indicação favorável ao nome de Vital do Rêgo ao TCU. Pelo menos o PMDB, PT, PPS, PSB, PSDB, PDT, PTB, DEM, PCdoB, PR, PRB, PSC, PSD e Solidariedade se posicionaram favoráveis ao projeto. Como a votação foi secreta, o presidente Henrique Alves orientou para que nenhum parlamentar declarasse publicamente o voto.

Alguns parlamentares, inclusive paraibanos, entretanto, quebraram a regra e fizeram uso da palavra em plenário para declarar apoio ao nome de Vital ao Tribunal de Contas da União, entre eles, os deputados Hugo Motta (PMDB), Damião Feliciano (PDT), Efraim Filho (DEM) e Aguinaldo Ribeiro (PP).


 

Assessoria