Manoel Jr. e Hugo Motta são apontados como membros da 'tropa de choque' de Cunha; entenda

Manoel Jr. e Hugo Motta são apontados como membros da 'tropa de choque' de Cunha; entenda

No entra e sai diário do gabinete do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), alguns rostos são vistos com enorme frequência – são os deputados que integram a chamada “tropa de choque” do peemedebista.

Sempre a postos para fazer uma defesa enfática do presidente da Câmara, deputados do PSC, Solidariedade, PTB, PSD e de ala do PMDB se revezam na tentativa de inviabilizar o andamento do processo que investiga Cunha por suposta quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética.

O líder do PSC, André Moura (SE), é um dos mais atuantes. Foi dele a questão de ordem que tentou anular a sessão do Conselho de Ética destinada à leitura do parecer do deputado Fausto Pinato (PRB-SP) pela continuidade do processo do presidente da Câmara. Moura foi o pivô da troca de acusações entre Cunha e a presidente Dilma esta semana.

Segundo o peemedebista, Dilma chamou o deputado do PSC para propor que, em troca da aprovação da CPMF, o PT votasse pelo arquivamento do processo por quebra de decoro parlamentar. O governo nega essa versão e acusa Cunha de fazer “chantagem”.

Outro grande aliado do parlamentar do Rio de Janeiro é o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), que em nome da abertura do processo de impeachment de Dilma disse estar disposto a defender Eduardo Cunha com todos os meios possíveis no conselho. Ele se tornou, inclusive, membro titular do colegiado logo após a saída do colega de partido Wladimir Costa (SD-PA), depois de o processo de Cunha ser aberto.

“O Solidariedade entende que a única forma de ter o impeachment de Dilma é com o presidente Eduardo Cunha, então vamos defender Eduardo Cunha no Conselho de Ética”, já afirmou Paulinho da Força, como é conhecido. Outro deputado que demonstra disposição em atuar pela postergação do processo por quebra de decoro parlamentar é Sérgio Moraes (PSD-RS), que conseguiu paralisar por mais de duas horas a última reunião do colegiado ao acusar o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) de “furar a fila” na entrada do conselho.

Conheça os deputados que defendem Cunha:

Paulo Pereira da Silva (SD-SP)
Aliado declarado de Cunha, Paulinho da Força foi um dos articuladores da abertura de processo de impeachment da presidente Dilma. No dia da decisão, passou horas entrando e saindo do gabinete do presidente da Câmara. Ele contou ter dito a Cunha que o acolhimento do pedido de afastamento da presidente poderia render ao peemedebista votos favoráveis ao arquivamento do processo por quebra de decoro no Conselho de Ética.

Deputado Paulo Pereira da Silva conversa com Eduardo Cunha na tribuna do plenário da Câmara (Foto: Luiz Macedo/Câmara dos Deputados)Deputado Paulo Pereira da Silva conversa com Eduardo Cunha na tribuna do plenário da Câmara (Foto: Luiz Macedo/Câmara dos Deputados)

"Nosso partido tem uma posição de defender o Eduardo. Queremos o impeachment da Dilma e achamos que é preciso manter o Eduardo para conseguir o impeachment", disse Paulinho quando foi indicado pela liderança do Solidariedade para integrar o conselho.

Manoel Junior (PMDB-PB)
Manoel Júnior trabalhou ativamente na campanha do colega de partido à presidência da Câmara. Ele é amigo de Cunha e, de acordo com reportagem da revista Época, cantou seis músicas em festa de aniversário de Cunha em Brasília. No Conselho de Ética, é um dos deputados mais atuantes na defesa de Cunha. Manoel Junior costuma apresentar reiterados questionamentos nas sessões do Conselho de Ética, como uma manobra para adiar ao máximo o andamento do processo.

Deputado Manoel Júnior durante sessão na Câmara (Foto: Gustavo Lima/ Câmara dos Deputados)Deputado Manoel Junior durante sessão na Câmara (Foto: Gustavo Lima/ Câmara dos Deputados)

Felipe Bornier (PSD-RJ)
O deputado federal ocupa o cargo de segundo-secretário da Mesa Diretora da Câmara e teve um papel importante na articulação para atrapalhar os trabalhos do conselho. Em 19 de novembro, Cunha presidia uma sessão no plenário principal quando, momentaneamente, deu o lugar a Bornier. No comando da sessão, Bornier anulou a reunião do Conselho de Ética destinada à leitura do parecer prévio do relator Fausto Pinato pela continuidade do processo do peemedebista.

Deputado Felipe Bornier em sessão na Câmara (Foto: Antonio Augusto/Câmara dos Deputados)Deputado Felipe Bornier em sessão na Câmara (Foto: Antonio Augusto/Câmara dos Deputados)

A ação foi vista por deputados contrários a Cunha como uma tentativa de blindagem. Depois de muito bate-boca, o presidente da Câmara voltou atrás e anulou a suspensão da sessão do Conselho.

André Moura (PSC-SE)
André Moura vive no gabinete de Cunha e atuava como “emissário” do peemedebista em negociações com o Palácio do Planalto. No dia 11 de novembro, subiu ao palanque do plenário da Câmara para ler uma nota de apoio à permanência no cargo do presidente da Câmara. Também foi dele a questão de ordem que tentou anular a sessão do Conselho de Ética destinada à leitura do parecer do deputado Fausto Pinato (PRB-SP).

Deputado André Moura em conversa com Eduardo Cunha na tribuna do plenário (Foto: Alex Ferreira/ Câmara dos Deputados)Deputado André Moura em conversa com Eduardo Cunha na tribuna do plenário (Foto: Alex Ferreira/ Câmara dos Deputados)

Moura também foi pivô da troca de acusações entre Cunha e Dilma esta semana. Segundo o peemedebista, Dilma chamou o deputado do PSC para propor que, em troca da aprovação da CPMF, o PT votasse pelo arquivamento do processo por quebra de decoro parlamentar. O governo nega essa versão e acusa Cunha de fazer “chantagem”.

Sérgio Morais (PTB-RS)
Atua em defesa de Eduardo Cunha no Conselho de Ética, tentando inviabilizar a votação do relatório que pede a continuidade das investigações do peemedebista. Na última sessão do colegiado, conseguiu paralisar por duas horas a reunião com uma discussão sobre o fato de o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) ter “furado fila” ao entrar no plenário para registrar presença.

Deputadp Sérgio Moraes (PTB-RS) (Foto: José Cruz/ Agência Brasil)Deputadp Sérgio Moraes (PTB-RS) (Foto: José Cruz/ Agência Brasil)

No caso de ausência de um titular, pode votar um dos suplentes da comissão, pela ordem de chegada à reunião. Onyx é suplente no conselho e favorável à continuidade do processo de Cunha. Por isso, Sérgio Morais protestou dizendo que ele teria burlado uma “fila” informal de deputados na entrada do plenário.

Hugo Motta (PMDB-PB)
Homem-forte de Cunha na CPI da Petrobras, o deputado Hugo Motta foi escolhido para presidir o colegiado e capitaneou uma articulação com partidos de oposição que evitou a convocação de delatores que pudessem comprometer o presidente da Câmara. Deputados do PSOL e do PPS o acusaram de blindar Cunha.

Deputado Hugo Motta (PMDB-PB) durante sessão no plenário da Câmara (Foto: Alex Ferreira/ Câmara dos Deputados)Deputado Hugo Motta (PMDB-PB) durante sessão no plenário da Câmara (Foto: Alex Ferreira/ Câmara dos Deputados)

Outro ponto polêmico à frente da comissão parlamentar de inquérito foi a contratação, com o aval de Cunha, da empresa de investigação Kroll. Apenas Motta e André Moura, que também integrava o colegiado, sabiam quem eram os investigados e foram criticados mais uma vez por tentarem acobertar Cunha.

Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA)
Lúcio Vieira Lima é um dos líderes da ala do PMDB que defende o desembarque do partido do governo Dilma Rousseff. É um dos deputados mais próximos de Eduardo Cunha e foi um dos articuladores da abertura do processo de impeachment da presidente. Ele participou das consultas que Cunha fez aos líderes partidários sobre o tema e articulou o anúncio da decisão.

Deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) (Foto: Alexandra Martins)Deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) (Foto: Alexandra Martins)

 

 

 

G1