Mais de 800 armas foram apreendidas em 2014 na PB; um aumento de 62% e média de 7 por dia

Mais de 800 armas foram apreendidas em 2014 na PB; um aumento de 62% e média de 7 por dia

A Paraíba vem aumentando o número de apreensões de armas que circulam irregularmente nas mãos de bandidos. As apreensões tiveram um crescimento de 62,3% se comparado a quantidade apreendida em 2010 e em 2013. De acordo com dados da Secretaria de Segurança e da Defesa Social (Seds), a média de apreensão tem sido de sete armas por dia.

Conforme a Seds, em 2010, foram apreendidas 1.079 armas e em 2013, 2.774. Nos anos de 2011, foram 2.179 e, em 2012, foram 2.736. Em 2014, nos três primeiros meses do ano, as apreensões somaram 818 armas.

As armas apreendidas são anexadas aos inquéritos policias e posteriormente ao processo judicial e só depois são encaminhadas ao Exército para serem destruídas.

A Seds informou ainda que existem três ações que acontecem por tempo indeterminado e que visam combater a criminalidade e apreender armas em poder de criminosos. Entre elas, as operações 'Saturação', 'Divisa Segura' e Nômade-Cidade Segura'.

Na opinião da assessora estratégica da Seds, Cassandra Duarte, o aumento no número de apreensões se deve principalmente à política de combate  aos crimes violentos letais e intencionais, os CVLI. "Cerca de 95% dos casos de assassinatos são por arma de fogo e uma das linhas de combate é justamente fazendo a apreensão do que é usado para os crimes", explicou.

Cassandra disse que a política abrange também a bonificação aos policias que, dependendo da arma apreendida, recebem gratificação pelo trabalho. Essa bonificação vem sendo paga aos policiais desde 2012.

Bonificação pode chegar a R$ 1,5 mil

Os policiais militares que apreenderem armas recebem bonificação que varia entre R$ 300 e R$ 1.500 par cada arma apreendida. A bonificação varia de acordo com o potencial lesivo da arma de fogo e as circunstâncias da apreensão.

Os valores são acrescidos na folha de pagamento do policial responsável pela apreensão. O bônus pecuniário é pago por arma de fogo apreendida, dividindo-se o valor em partes iguais entre os componentes da equipe, patrulha ou guarnição que efetuar a apreensão da arma.

Caso a apreensão aconteça por policial que trabalhe isolado, o bônus lhe é pago individualmente. Já se o policial estiver afastado do exercício regular das funções, ele fica impedido de concorrer ao benefício.

As armas de fogo só deverão permanecer em poder do responsável pela apreensão o tempo indispensável para a lavratura do Boletim ou Relatório de Ocorrência Policial e ao deslocamento até a competente Unidade de Polícia Judiciária para entregar o objeto apreendido.