Mãe presencia estupro coletivo da filha no Piauí

Mãe presencia estupro coletivo da filha no Piauí

Dois novos casos de estupro coletivo vieram à tona ontem no país conhecido no exterior por sua “cultura do estupro”. Um deles envolve uma adolescente de 14 anos no município de Pajeú do Piauí (a 407 km de Teresina), cidade de cerca de 3.300 habitantes. É o terceiro caso no Estado desde o ano passado.

A Polícia Civil do Distrito Federal também investiga um estupro coletivo denunciado por um médico contra uma garota de 13 anos durante festa junina de uma igreja do Park Way. Os suspeitos são três colegas de escola da vítima, também adolescente.

No caso do Piauí, a garota foi encontrada desacordada em um banheiro do ginásio poliesportivo da cidade. A mãe adotiva flagrou o crime e ajudou a polícia a identificar e prender quatro suspeitos. Três são menores de idade – dois de 17 anos e um de 16 –, e o maior é um rapaz de 19 anos, ex-namorado da vítima. 

Segundo o delegado da cidade de Canto do Buriti, Yan Drayner, que investiga o caso, a mãe da vítima estava à procura da filha pela cidade e soube que ela estaria no ginásio. Chegando ao banheiro do local, flagrou a filha inconsciente e os rapazes todos nus. “Ela começou a gritar pelo vigia e identificou um dos agressores, que foi logo preso”, disse o policial.

“Eu escutei um gemido no banheiro. Quando eu entrei, eu bati na porta do banheiro e vi os quatro caras pelados. Todos pelados, e ela já deitada no chão sem roupas, desmaiada. Aí eu fechei a porta do banheiro e pedi socorro pro (sic) guarda que estava no outro lado, só que eu não tive força para ‘sustentar’ a porta. Eles arrombaram, bateram na porta e saíram correndo, todos pelados. Mãe nenhuma aguenta isso. Eu sinto muita angústia”, disse a mulher em entrevista para a TV Clube, afiliada da Globo do Piauí.

Ao prestar depoimento, os suspeitos confirmaram que ocorreu sexo oral e negaram conjunção carnal. “Eles afirmam que o ato foi consensual e negam violência”, disse o delegado.

A garota passou a manhã fazendo exames. Ela recebeu um coquetel de medicamentos para evitar contaminação por doenças sexualmente transmissíveis.

A adolescente prestou depoimento em Teresina à delegada Anamelka Cadena, titular do Núcleo de Feminicídio da Polícia Civil do Piauí. A vítima estava acompanhada da mãe e de representante do Conselho Tutelar. Os presos estão na delegacia regional de Canto do Buriti, área que apura crimes de Pajeú do Piauí.

Dois outros casos de estupro coletivo chocaram o Piauí em pouco mais de um ano. Um foi registrado em 27 de maio do ano passado, em Castelo do Piauí, onde cinco homens estupraram quatro jovens – uma delas morreu.

Há menos de um mês, outro estupro coletivo está sendo apurado em Bom Jesus (a 634 km de Teresina). Conforme relatos de testemunhas que encontraram a vítima, uma adolescente de 17 anos, ela estava amarrada e teria sido amordaçada com a própria calcinha. A garota chegou a contar que foi conduzida ao local e violentada por cinco suspeitos.

Dados trágicos

Metade das mortes entre vítimas de estupro refere-se a meninas menores de 19 anos, segundo estudo Ministério da Saúde. O levantamento traz à tona outro problema provocado pela violência: das meninas menores de 13 anos que deram à luz ano passado, pelo menos 6% foram vítimas de estupro.

 

 

 

Click PB