Lideranças do PSB, PC do B e PRTB se articulam na formação de bloco de oposição

Lideranças do PSB, PC do B e PRTB se articulam na formação de bloco de oposição

Já que durante esta semana todas as atenções estão voltadas para Campina Grande – que vive o Maior São João do Mundo – nos bastidores da política local a situação não é diferente. Pensando nisso, um grupo de lideranças políticas da oposição já começou a realizar reuniões estratégias, visando discutir os problemas da cidade e avaliar futuras formatações de blocos partidários para a disputa sucessória municipal do ano que vem.

Capitaneados pelo atual chefe de gabinete do Governador do Estado e presidente do diretório municipal do Partido Socialista Brasileiro (PSB) em Campina Grande, Fábio Maia, o encontro informal – que aconteceu em um restaurante da cidade – reuniu dois vereadores dois parlamentares de oposição: Anderson Maia (PSB) e Napoleão Maracajá (PC do B), o atual presidente do PRTB na cidade e ex-vereador Alcides Cavalcanti (Alcides da Weider), o ex-candidato a vice-prefeito de Campina Grande, Rodrigo Ramos (atualmente sem partido) e ainda a liderança da Zona Leste, Rômulo Lucena.

De acordo com Fábio Maia, a prioridade do encontro foi discutir a criação de um discurso político alinhado, que possa ser um forte instrumento de defesa da sociedade campinense. “Estamos vivendo momentos administrativos difíceis em Campina, com uma gestão que não consegue garantir a sociedade sequer o bom funcionamento dos serviços básicos. O exemplo está no caos que estamos vivendo na área de saúde. Se não tivéssemos aqui equipamentos importantes de assistência, como o Hospital de Trauma, por exemplo, o caos estaria generalizado. As denúncias dos desmandos praticados são assustadoras e precisam ser apuradas e expostas para comunidade. O que queremos não é apenas um discurso partidário, o que almejamos é um bloco oposicionista forte, com propostas concretas de mudanças e melhorias que possam ser apresentadas como opção para sociedade” frisou.

Um dos pontos discutidos no encontro – que ganhou repercussão esta semana – foi à proposta de privatização do antigo Cine Capitólio, projeto que apresentado pelo Poder Executivo e já aprovado pela Câmara de Vereadores.

Na ocasião Anderson Maia e Napoleão Maracajá revelaram que a oposição está unida em prol de cobrar explicações da prefeitura sobre as alterações apresentadas no projeto que foi aprovado pela Casa de Félix Araújo.    

De acordo com os parlamentares, a proposta não respeita sequer as orientações dadas previamente pelas instituições de defesa do patrimônio histórico. “O Capitólio é um espaço histórico que marcou e formou toda uma geração de cineastas, escritores, poetas, artistas, amantes e apreciadores da cultura em Campina Grande. Somos contra a forma como o projeto foi concebido, que busca tão somente transformar um espaço, que está condenado ao ostracismo cultural por falta de políticas públicas de resgate do nosso patrimônio cultural, em uma área privada de comércio” comentou Anderson Maia.

Ainda sobre o projeto, que chegou à Câmara Municipal de Campina Grande na última quarta-feira, 03 de junho, e já foi votado com urgência na terça, dia 09, Napoleão Maracajá questionou o caráter de emergência de apreciação da pauta. “Não vamos aceitar que um projeto seja aprovado em caráter de urgência sem ampla discussão e sem justificativa plausível desta inadiável propositura, para que não aconteça o que aconteceu com a CELB que tempestivamente foi vendida com aprovação da câmara e que até os dias atuais gera polêmica. Queremos sim, que seja realizada uma audiência pública para discutirmos e pontuarmos o destino dos nossos patrimônios de maneira democrática e respeitosa” comentou Maracajá.

Este foi o primeiro, de muitos encontros que o grupo promete promover até a próxima semana em Campina Grande. “Temos certeza que a oposição ficará ainda maior nos próximos dias. Nossa missão é apresentar boas opções tanto para a disputa majoritária, como também bons nomes para a sucessão na Câmara. Temos grandes e importantes lideranças que precisam ser ouvidas. Campina Grande já sente o insucesso da atual gestão, que mesmo depois de três anos, ainda não conseguiu criar sua própria identidade. Nossa cidade literalmente parou, e é por isso que tenho certeza que estamos no caminho certo” completou Fábio Maia.

 

 

 

 

Parlamento PB