Líder do governo diz que 2016 será o ano da retomada do desenvolvimento

Líder do governo diz que 2016 será o ano da retomada do desenvolvimento

O líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), disse hoje (26) que 2016 será o ano da retomada do desenvolvimento com crescimento econômico. Segundo ele, 2015 foi o ano do ajuste fiscal, mas agora é hora de discutir o “pra frente”.

Guimarães acrescentou que algumas matérias do ajuste ficaram pendentes, como é o caso de duas medidas provisórias e as votações da prorrogação da Desvinculação das Receitas da União (DRU) e da recriação da CPMF.

 

“Vamos dialogar com a base e com a oposição sobre essas matérias, de modo a buscarmos algum entendimento para votar o que é melhor para o país. Vamos discutir a melhor forma para buscar o encaminhamento para aprovação delas”, adiantou Guimarães. Segundo ele, as discussões para votação da CPMF devem girar em torno da vinculação da contribuição à seguridade social e à saúde e da divisão entre os três entes federados (União, estados e municípios).

Guimarães informou que na terça-feira (2), às 10 horas, os líderes da base aliada do governo se reunirão com os ministros da Fazenda, Nelson Barbosa, da Casa Civil, Jaques Wagner, e da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini. Conforme o líder, a expectativa é que, nessa primeira reunião, sejam discutidas as votações das matérias pendentes de aprovação e medidas pararetomada do desenvolvimento com crescimento. 

“Quero virar a página do ajuste. As palavras de ordem são desenvolvimento e discutir medidas fundamentais para retomada do crescimento. São medidas na área do crédito, retomar as obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), acelerar as concessões e lançar o Minha Casa, Minha Vida 3. É fundamental virarmos a página do impeachment. Temos pressa em virar essa página. O país não quer ficar preso nisso.”

De acordo com Guimarães, a expectativa da liderança do governo é com as medidas econômicas que serão anunciadas pelo ministro Nelson Barbosa quinta-feira (28), durante a reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, e no enconro com a as lideranças governistas na semana que vem.

“Nosso desejo é que essas medidas sejam no sentido da retomada do crescimento. Retomar com responsabilidade, ousar com responsabilidade. Ninguém pode dar um passo em falso”, afirmou.

Para o líder governista, duas pautas urgentes tratam do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff e do afastamento do presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). 

“Temos duas grandes disputas que não podemos deixar de considerá-las. O Brasil não quer isso e tem de resolver logo as questões do impeachment [da presidenta Dilma] e a do Cunha [presidente da Câmara]. Elas são polêmicas. Então, temos de vencer isso logo”, concluiu.

 

 

 

Agência Brasil