Lava Jato: Delator relata que fez 'delivery' de até R$ 200 mil por vez a políticos do PP

Lava Jato: Delator relata que fez 'delivery' de até R$ 200 mil por vez a políticos do PP

O braço direito do doleiro Alberto Youssef, Rafael Ângulo, afirmou em acordo de delação premiada firmado na Operação Lava Jato que, cada entrega de propina a políticos ligados ao Partido Progressista (PP), chegou a até R$ 200 mil.

O acordo de delação de Rafael Ângulo foi homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e ainda está sob sigilo. Os depoimentos do delator ajudaram a Polícia Federal a cumprir, na última terça-feira (14), 53 mandados de busca e apreensão na casa de políticos. Ângulo citou na delação nomes de diversos políticos com foro privilegiado, entre eles o senador Fernando Collor de Mello, para quem relatou entrega em mãos de R$ 60 mil.

Aos investigadores, o entregador de Youssef contou que, no começo de 2008, passou a participar de almoços com políticos em razão do papel que iria exercer: o repasse da propina. Segundo ele, a partir de então, começou a ver políticos no escritório do doleiro. Entre eles, estariam os ex-deputados do PP Pedro Corrêa, Mário Negromonte (atual conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia) e João Pizzolatti, além do hoje deputado federal Nelson Meurer (PP-PR). Os políticos negam envolvimento em esquema de corrupção (veja detalhes abaixo)

 

Conforme a investigação da Lava Jato, o dinheiro repassado a esses políticos foi desviado de contratos da Petrobras – o PP mantinha o comando de uma diretoria na estatal e dividia parte do dinheiro desviado entre parlamentares da legenda, segundo investigadores.

 

Dinheiro em meiões
Ângulo relatou na delação que carregava o dinheiro preso ao corpo, geralmente em meiões de futebol, e que realizava entregas principalmente em apartamentos funcionais em Brasília, em endereços indicados pelos políticos nos estados e até em ambientes públicos, como estacionamentos e aeroportos.
 
A pedido de Youssef, enquanto trabalhava no escritório do doleiro, Ângulo separava o dinheiro em envelopes ou sacolas – valores de R$ 10 mil a R$ 300 mil. A quantidade que cada um pegava dependia da frequência, segundo o delator, que informou que quem ia mais frequentemente ao escritório pegava valores fracionados.

 

O entregador relatou que, a partir de 2009, passou a fazer viagens para entrega de dinheiro e que levou quantias em envelopes para Pedro Corrêa, Mário Negromonte, João Pizzolatti e Nelson Meurer. Os "deliveries" de propina, disse ele, oscilavam entre R$ 50 mil a R$ 200 mil.

Segundo Ângulo, às vezes a entrega era para funcionários dos políticos, em restaurantes, flats, hotéis, casas, e em ambientes públicos, como aeroportos e estacionamentos de supermercados. Em Brasília, disse ele, houve diversas entregas em apartamentos funcionais de deputados.Rafael Ângulo também contou que muitas vezes não entregava a terceiros, mas tinha certeza quem era o destinatário porque outra de suas funções era "lançar" em tabela de controle o pagamento da propina.

Quando viajava para outro estado, também escondia o dinheiro ao corpo, e nunca carregava consigo o nome da pessoa destinatária, para evitar incriminar alguém caso fosse pego com o dinheiro. Ele, no entanto, destacou que nunca chegou a ser parado. O delator disse que, ao anotar os nomes, usava a abreviação "band", já que Alberto Youssef se referia aos políticos como "bandido": "Anota para tal bandido".

Rafael Ângulo citou entregas na casa de Pizzolatti, no apartamento funcional de quando era deputado, e também afirmou ter levado dinheiro nas mãos de Negromonte duas vezes, em valores superiores a R$ 100 mil em cada oportunidade. Lembrou que em uma das vezes chegou a receber do então conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia uma "caixinha" de R$ 500.

 

Segundo as apurações em andamento sobre a Lava Jato, Pizzolatti e Negromonte comandavam a distribuição de propina entre os demais políticos do PP.
 
O que dizem os políticos
 
João Pizzollatti
O advogado Michel Saliba, que defende o ex-deputado João Pizzolatti, disse que o cliente nega veementemente qualquer entrega de dinheiro em espécie por parte de Rafael Ângulo ou de qualquer pessoa que represente esquema de corrupção.
 
Saliba disse que o cliente tinha conhecimento de caixa-dois de campanha realizado pelo então tesoureiro do PP José Janene nas eleições de 2010, e que, após a morte de Janene, Youssef efetuou pagamentos de pendências de campanha. Segundo a defesa, Pizzolatti admite que pode, sim, ter recebido depósito de dinheiro por conta de valores referentes à campanha eleitoral.
 
Nelson Meurer
Michel Saliba, que também defende Nelson Meurer, disse que o cliente nega qualquer recebimento de dinheiro por parte de Rafael Ângulo ou outras pessoas.
 
Pedro Corrêa
Saliba, que também defende o ex-deputado Pedro Corrêa, afirmou que o cliente recebeu dinheiro de Youssef porque tinha negócios com José Janene na área de agropecuária. Segundo ele, com a morte de Janene, Alberto Youssef assumiu o negócio. Por conta disso, Youssef repassava valores a Pedro Corrêa. "Pedro Corrêa afirma e vai provar que os valores são fruto dos negócios que ele tinha com José Janene e que ficaram sob comando de Alberto Youssef."
 
Mário Negromonte
O advogado Carlos Fauaze, que defende Mário Negromonte, disse que o cliente nega peremptoriamente qualquer envolvimento em esquema de corrupção. E que ainda precisa concluir a análise do teor das declarações de Rafael Ângulo antes de comentar as acusações.
 
 
 

 

G1