Justiça decreta prisão preventiva de investigados por fraude em licitações na PB; desvio pode ter passado de R$ 18 mi

Justiça decreta prisão preventiva de investigados por fraude em licitações na PB; desvio pode ter passado de R$ 18 mi

O juiz Adrian Soares Amorim de Freitas, da 8ª vara Federal de Sousa, no Sertão, a 438 km de João Pessoa, acatando pedido do Ministério Público Federal, converteu, no final da manhã deste sábado (4), as prisões provisórias em prisões preventivas. 

As sete pessoas detidas na operação 'Andaime', por força de mandado de prisão provisória, que já havia sido prorrogada uma vez e cujo prazo de 10 dias terminaria neste domingo, continuarão presas. A operação investiga uma quadrilha especializada em fraudar licitações em obras e serviços de engenharia de 16 prefeituras da Paraíba.

A partir de agora, todos os envolvidos na primeira fase da operação, em um total de 10 pessoas, estão presos preventivamente, já que desde o início haviam sido decretadas três prisões preventivas.

A operação 'Andaime' foi deflagrada na sexta-feira, 26 de junho de 2015, numa ação conjunta do MPF, CGU e PF. Estima-se em R$ 18.337.000 o montante de verbas federais alcançadas pelos suspeitos. 

 

 

 

 


Redação