Justiça brasileira recupera 47,7 milhões de euros desviados da Petrobras

Justiça brasileira recupera 47,7 milhões de euros desviados da Petrobras

A Justiça brasileira informou que recuperou 47,7 milhões de euros (54 milhões de dólares) que haviam sido desviados nos esquemas de corrupção da Petrobras.

Segundo dados publicados no site da Procuradoria-Geral da República (PGR), este dinheiro foi obtido ilegalmente por Julio Faerman, a partir de crimes em contratos de empresas do grupo da SBM Offshore com a petrolífera estatal.

Faerman era o principal agente de vendas da SBM, uma companhia holandesa, e fechou um acordo de “colaboração premiada” (denúncia) com o Ministério Público Federal no Rio de Janeiro, no qual se comprometeu a devolver o dinheiro.

Em Dezembro de 2015, o Ministério Público brasileiro denunciou 12 pessoas envolvidas em crimes nos contratos entre a Petrobras e a SBM Offshore, entre elas Faerman, que é um processado por corrupção activa, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e associação criminosa.

Os contratos envolviam na maioria das vezes os navios-plataforma, conhecidos como FPSO (Unidade Flutuante de Produção, Armazenamento e Transferência).

O esquema de corrupção na petrolífera estatal brasileira é investigado pela Operação Lava-Jato, que tem uma equipa formada por procuradores, promotores, policiais e juízes, que já prendeu e condenou dezenas de empresários e ex-funcionários da Petrobras.

Políticos brasileiros com o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, também estão a ser investigados nesta operação.

 

 

 

180 Graus