Jornal Valor Econômico destaca que PT e PMDB da Paraíba vão repetir aliança nacional

Jornal Valor Econômico destaca que PT e PMDB da Paraíba vão repetir aliança nacional

Com o PSB fora da aliança política que elegeu a atual presidente Dilma em 2013 caberá ao PMDB ocupar, prioritariamente, nas eleições do próximo anos preencher os espaços políticos que antes eram do Partido Socialista Brasileiro, já que o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, rompeu com o PT e em 2014 será candidato à presidência da República.

Em relação ao Estado da Paraíba, por mais que o PT, por intermédio dos seus dirigentes e lideranças mais influentes, como o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, coloquem resistências para uma aliança com o PMDB, as duas legendas deverão mesmo disputar as eleições no Estado, em 2014, repetindo a aliança nacional.

É o que revela matéria publicada no jornal Valor Econômico, edição desta segunda-feira (04). A única diferença é que no plano nacional o PT será cabeça de chapa, tendo a presidente Dilma Rousseff como candidata à reeleição, cabendo ao PMDB indicar o vice, como Michel Temer.

Na Paraíba, o PMDB terá como candidato a governador o ex-prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital, restando ao PT indicar o candidato a vice-governador, como já aconteceu nas eleições de 2006 e 2010, quando o PT indicou Luciano Cartaxo (2006) e Rodrigo Soares (2010), sendo que nas duas eleições a coligação dos dois partidos terminou perdendo o pleito para então candidato e hoje senador da República, Cássio Cunha Lima.

 

Leia parte da matéria publicada no Valor Econômico:

PMDB ocupa espaço de PSB e predomina em alianças

Se o PT em 2014 será mais "fominha" - como se diz do jogador que não passa a bola - o PMDB também marca os petistas sob pressão. Nos 15 Estados onde o PT está propenso a ceder cabeça de chapa a aliados, apenas em Pernambuco e no Mato Grosso o PMDB não exerce carga pelo apoio petista.

No primeiro caso, porque o partido há muito se opõe ao PT e, no segundo, por falta de nomes à sucessão do governador Silval Barbosa. Com isso, a tendência é que os petistas apoiem os senadores Armando Monteiro (PTB-PE) e Blairo Maggi (PR-MT) - embora este diga que não cogita concorrer.

Nos demais 13 Estados, no entanto, peemedebistas estão na cola. Em três deles os acordos estão adiantados. Em Sergipe, é certo o apoio do PT, hoje no comando do governo, ao vice de Marcelo Déda, Jackson Barreto. No Rio Grande do Norte, a parceria é com a família Alves, que pode lançar o ministro Garibaldi Alves (Previdência); o filho dele, deputado estadual Walter; ou o presidente da Câmara, Henrique Eduardo. Na Paraíba, o senador Vital do Rêgo deve garantir apoio ao irmão e ex-prefeito de Campina Grande, Veneziano.

 Fonte: Valor Econômico