Jeová vence batalha com Daniella e vai presidir sessão com ministro no Espaço Cultural

Jeová vence batalha com Daniella e vai presidir sessão com ministro no Espaço Cultural

O deputado estadual Jeová Campos (PSB) venceu a batalha com a deputado Daniella Ribeiro (PP), e vai presidir a sessão especial com a presença do ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, que será realizada no Espaço Cultural e não no plenário da Assembleia Legislativa, como queria Daniella, autora do requerimento solicitando a sessão.

O requerimento do deputado Jeová Campos solicitando que a Sessão Especial com o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occi, agendada para o próximo dia 12, às 10 horas, seja realizada no Espaço Cultural José Lins do Rego, sob a coordenação da Frente Parlamentar da Água, foi aprovado na sessão de hoje. A sessão vai debater e conhecer os encaminhamentos emergenciais em relação à crise hídrica que assola a Paraíba.

Os dois deputados bateram boca publicamente por conta da “paternidade” da sessão. Daniella, que é do mesmo partido do ministro, conseguiu a agenda de Gilberto Occhi na Paraíba e marcou a sessão. Como o assunto é relacionado a estiagem e liberação de verba para obras de recursos hídricos, Jeová Campos, que preside a Frente Parlamentar das Águas, avocou para a Frente o comando da sessão.

“O que acontece é que a deputada Daniella que não participou de nenhuma reunião, nenhuma audiência pública, nenhum ato da Frente Parlamentar das Águas, foi por trás querendo agora se apropriar do trabalho desta Casa”, reclamou Jeová.

 

Daniella Ribeiro por sua vez, acusou o Jeová de minimizar o debate e querer impor uma decisão sua em uma audiência de autoria dela. “Em nenhum momento, o deputado me procurou para propor a mudança do local da sessão. Agora se colocar contra a vinda de um ministro é lamentável, uma postura mesquinha”.

A deputado disse ainda que não há problema na questão da presidência da sessão. “O que importa sinceramente não é quem trouxe o ministro ou quem vai presidir a sessão, é resolver o problema, é isso que a sociedade espera de seus representantes”.

Para Daniela, a postura de Jeová Campos foi autoritária e pequena.

 

 


Da redação