Inflação oficial no 1º semestre é a mais alta desde 2003, diz IBGE

Inflação oficial no 1º semestre é a mais alta desde 2003, diz IBGE

A inflação oficial do país, calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 0,79 % em junho, informou nesta quarta-feira (8) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em maio, o indicador havia ficado em 0,74%.

Essa taxa de 0,79% é a maior taxa para junho desde 1996, quando ficou em 1,19%. "Os meses de junhos costumam ser baixos. E esse ano, os números têm sido maiores em geral do que em 2014... pela  influência dos preços administrados”, disse Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índice de Preços do IBGE.

Com esse resultado, o primeiro semestre fechou em 6,17%, depois de encerrar os seis primeiros meses de 2014 em 3,75%. Esse é o maior resultado, para o período, desde 2003.

Em 12 meses, o indicador acumula alta de 8,89%, a maior taxa desde dezembro de 2003, quando ficou em 9,30%. O resultado vem em linha com a previsão dos economistas do mercado financeiro, conforme apontam os boletins Focus mais recentes.

A previsão é de que o IPCA feche o ano acima de 9%.

De maio para junho, foram as despesas pessoais que mostraram o maior aumento de preços entre tudo o que é analisado pelo IBGE. A alta, de 1,63%, é atribuida principalmente aos jogos de azar, que ficaram 30,80% mais caros.

“Apesar e não ter havido a tradicional pressão da energia [no mês de junho], a gente teve três itens que exerceram pressão forte: os jogos de azar, as passagens aéreas, que são muito voláteis - nesse mês a alta é provocada pela maior demanda - [feriado de] Corpus Christi, dia dos namorados...as tarifas tendem a ser não tão baratas e promocionais, e a taxa de água e esgoto, que além dos reajustes extraordinários, têm a ver também com a contaminação provocada pela energia elétrica”, explicou.

 

 

 

G1