Indonésia executa brasileiro e outros 7 condenados

Indonésia executa brasileiro e outros 7 condenados

O brasileiro Rodrigo Gularte e outros sete condenados por tráfico de drogas foram executados nesta terça-feira, 28, na Indonésia. O fuzilamento ocorreu no início da tarde (horário de Brasília, que corresponde à meia-noite na Indonésia). A informação foi confirmada pela agência de notícias Reuters.

Segundo a agência, no entanto, a filipina Mary Jane Veloso, que estava no grupo que seria encaminhado ao fuzilamento, não foi executada.

A Indonésia já havia confirmado que executaria os condenados nesta terça, apesar das pressões internacionais e em meio à angústia dos familiares que se despediam dos réus.

No grupo de condenados levados ao fuzilamento estão dois australianos (Andrew Chan e Myuran Sukumaran), três nigerianos (Raheem Agbaje, Silvester Obiekwe Nwaolise e Okwudili Oyatanze), um ganense (Martin Anderson), além do brasileiro Rodrigo Gularte e um indonésio (Zainal Abidin).

Ambulâncias carregadas com caixões vazios já estavam na ilha de Nusakambangan, onde ocorreram as execuções, desde o início do dia.

Os familiares dos condenados foram vê-los pela última vez na prisão da ilha de Nusakambangan, "o Alcatraz indonésio". Em entrevista, a prima de Rodrigo Gularte disse que ele estava calmo e que não sabia ao certo o que estava acontecendo.

O caso. Gularte foi preso em 2004 ao tentar entrar no país asiático com 6 quilos de cocaína escondidos em uma prancha de surfe. A expectativa era de que a execução do brasileiro fosse pelo menos adiada - a exemplo do que aconteceu com o francês Serge Atlaoui, de 51 anos, que terá um último recurso analisado, segundo a imprensa internacional, por força das ameaças da diplomacia francesa. Um indonésio será executado em seu lugar - mas não se descarta fuzilar o europeu à parte futuramente.

 

 

AGÊNCIAS INTERNACIONAIS