Impeachment: Mídia acusa deputado de Cajazeiras de ser comprado por R$ 12 mi

Impeachment: Mídia acusa deputado de Cajazeiras de ser comprado por R$ 12 mi

O surpreendente voto do deputado cajazeirense, Wellington Roberto (PR), contra o processo de impeachment teve um preço: foram R$12 milhões liberados para emendas parlamentares. A Paraíba aguarda para saber em que projetos o deputado investirá a verba federal.

O recurso veio do Ministério da Integração Nacional e de acordo com planilha obtida pelo Estado, seis dos dez deputados favoráveis ao governo foram beneficiados. O documento indica que R$ 10,5 milhões já foram empenhados. A relação chegou ao ministério na última sexta-feira, 15, e os empenhos foram feitos na manhã de segunda-feira, 19, um dia após a votação. O deputado José Rocha (BA) foi o que recebeu promessa de maior liberação de recursos – R$ 19 milhões.

Em relação aos empenhos já realizados, o deputado Vicentinho Júnior (TO), é o destinatário de um total de R$ 4,5 milhões. O deputado Édio Lopes (RR) teve R$ 6 milhões empenhados.

A lista continua com R$12 milhões a serem liberados para Wellington Roberto (PB), R$ 6 milhões para João Carlos Bacelar (PR-BA) e R$ 3 milhões para Aelton Freitas (MG), líder da bancada.

Outros quatro deputados votaram contra o impeachment, mas não aparecem na lista de deputados do partido que tiveram emendas contempladas: Brunny (MG), José Carlos Araújo (BA), Lúcio Vale (PA) e Zenaide Maia (RN). Os deputados Gorete Pereira (CE), Sebastião Oliveira (PE) e Vinícius Gurgel (AP) se abstiveram. A deputada Clarissa Garotinho (RJ) está no final de uma gestação e não apareceu para votar.

Senado – Dos quatro senadores do PR, apenas um se declara contra o impedimento, segundo o Placar do Impeachment do Estadão. Vicentinho Alves já teve empenhados R$ 5,3 milhões.

 

 

 

 

 

Diário do Sertão