Hugo Motta contabiliza 61 deputados do PMDB a favor do impeachment de Dilma

Hugo Motta contabiliza 61 deputados do PMDB a favor do impeachment de Dilma

Maior bancada na Câmara dos Deputados, o PMDB anunciou que vai orientar a bancada pela votação a favor, no próximo domingo (17), do parecer que pede a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A informação foi dada pelo líder do partido na Casa, Leonardo Picciani (RJ), que é contrário ao afastamento da presidente. O deputado Hugo Motta disse que 61 deputados peemedebistas já se manifestaram a favor do impeachment. 

Ainda de acordo com Motta, a bancada do PMDB tem 67 deputados, considerando titulares que estavam ocupando cargos nos Executivos federal e estaduais e vão deixar esses cargos para retornar à Câmara e votar no domingo (17). 

Segundo o líder Leonardo Picciani, 90% dos parlamentares da legenda se manifestaram a favor do impedimento, porém os dissidentes estão liberados para votar diferente da maioria. "Foi uma aclamação simbólica, mas eu manterei minha posição", disse. Para Picciani, o pedido em tramitação na Casa não tem fundamento jurídico de que Dilma Rousseff cometeu crime de responsabilidade. Segundo ele, o partido não fechará questão. "Não há e não haverá sanção a posições divergentes", afirmou. O PMDB está reunido desde as 10h, a portas fechadas, para definir posição sobre a votação de domingo (17).

A presidenta Dilma Rousseff exonerou três ministros, indicados pelo PMDB, que têm mandato de deputado federal para votarem contra o impeachment. As exonerações foram publicadas na edição de hoje (14) do Diário Oficial da União. Os ministros exonerados são PMDB: Mauro Lopes, da Secretaria de Aviação Civil; Celso Pansera, da Ciência, Tecnologia e Inovação; e Marcelo Castro, da Saúde.

Há algumas semanas, o PMDB anunciou a saída da base governista. O partido é presidido pelo vice-presidente da República, Michel Temer.

Oposição - A oposição viu como um reforço a decisão do PMDB. O líder do DEM, Pauderney Avelino (AM), reconheceu que a adesão de peemedebistas ao movimento pró-impeachment "consolida o processo". De acordo com ele, há grandes chances de a base aliada tentar, após a votação de domingo, questionar o resultado na Justiça, assim como tem ocorrido com alguns procedimentos do rito que foram contestados judicialmente.

"É o direito de espernear. Temos convicção que estamos fazendo a coisa certa", disse. Avelino antecipou que, em conversa informal com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, o peemedebista disse que pretende mudar a regra de chamada dos parlamentares. De acordo com o líder do DEM, Cunha irá chamar alternadamente deputados das bancadas do Sul-Norte do país e Norte para Sul. A regra de chamada foi contestada pela base aliada, que defende que os deputados seham chamados a votar por ordem alfábetica, como foi feito no processo da votação do impeachment de Fernando Collor em 1992.

Partidos menores - Mais cedo, dirigentes dos cinco menores partidos da Câmara (PTN, PSL, PROS, PHS,TEN), que somam 30 votos, não fecharam questão sobre a votação do parecer favorável ao impeachment não fecharam questão, mas informaram que pelo menos 25 deputados do grupo devem votar a favor da abertura do processo contra a presidenta Dilma Rousseff. Desde a semana passada, os partidos estão se reunidndo para tentar acertar uma posição única para a sessão de domingo, porém alguns deputados, contrários ao impedimento de Dilma, têm sinalizado que não tendem a mudar de posição. PHS, PROS e parte do PTN integravam há alguns meses a base governista.  

 

 

 

 

Click PB