Hospital de Mamanguape será Centro de Cirurgias Cardíacas Pediátrico da Região

Hospital de Mamanguape será Centro de Cirurgias Cardíacas Pediátrico da Região

O Hospital de Mamanguape será Centro de Cirurgias Cardíacas Pediátrica da Região. O anúncio foi feito pelo governador do Estado, Ricardo Coutinho.  Os procedimentos deverão ser iniciados na segunda quinzena de maio deste ano, provavelmente no dia 22, e a previsão é de que sejam realizadas cerca de vinte cirurgias em uma semana.  Para que as intervenções sejam realizadas serão disponibilizados seis leitos da UTI; 15 de enfermarias e mais uma casa de apoio do Hospital de Mamanguape.

O governador Ricardo Coutinho  afirmou que a Paraíba é destaque nacional no campo das cirurgias cardíacas na área de  pediatria.  Ele lembrou que em um  passado não muito distante as mães tinham que recorrer à Justiça para conseguir a realização das cirurgias cardíacas nos seus filhos. “Nós viramos essa página, criamos uma rede que acompanha a criança desde o nascimento, até sua cura”. O governador lembrou que no Hospital Arlinda Marques, situado em João Pessoa, já foram realizadas 382 cirurgias de coração em crianças.

Atualmente, o Complexo de Pediatria Arlinda Marques é o hospital de referência para realizar as operações. “Semanalmente, realizamos uma média de cinco cirurgias pediátricas cardíacas. Com a entrada do Hospital de Mamanguape, o projeto terá um grande avanço com a descentralização do serviço para o interior do estado”, disse o diretor geral do Arlinda Marques, Bruno Leandro de Souza.

Ele explicou que  o Hospital Arlinda Marques passará por uma grande reforma, que terá a estrutura física totalmente ampliada, com reestruturação do bloco cirúrgico, passando a funcionar nos mais altos padrões de qualidade, se nivelando aos melhores centros cirúrgicos pediátricos do país. Além disso, ganhará um novo gerador, com potência dobrada e transformador de 750 KVA, o que permitirá a ampliação de todos os serviços ofertados na unidade.

Com o objetivo de auxiliar na implantação das ações dentro do Hospital de Mamanguape, objetivando garantir a melhoria do atendimento integral ao usuário,  no último dia  (15), a secretária de Estado da Saúde, Roberta Abath, acompanhou no Hospital Geral de Mamanguape a visita de uma equipe do Hospital Real Português, de Pernambuco, integrante do Círculo do Coração. “A unidade está em excelentes condições para realizar o mutirão. Tem toda infraestrutura necessária para a ação: serviços de limpeza adequados; equipamentos em boas condições de uso e um atendimento bastante humanizado”,  observou a cirurgiã cardíaca pediátrica, do Real Português, Sheila Hazin.

Com a entrada do Hospital de Mamanguape, o Círculo do Coração passa a ter 22 unidades, em todo estado (João Pessoa, Campina Grande, Patos, Sousa, Cajazeiras, Guarabira, Monteiro, Esperança, Itaporanga, Picuí, Santa Rita, Catolé do Rocha, Princesa Isabel e Pombal).

Mais dados - A Rede de Cardiologia Pediátrica (PB\PE) realizou nos últimos três anos cerca de 80 mil triagens neonatais. Ainda de acordo com os dados, nesse mesmo período, foram realizados 7 mil consultas e ecocardiogramas, 800 capacitações profissionais, além de 330 cirurgias no Complexo de Pediatria Arlinda Marques, na Capital, referência na área, e mais 62 outras cirurgias, no Recife, de pacientes cardiopatas paraibanos. A Rede de Cardiologia Pediátrica (PB\PE) é fruto de um convênio assinado  entre o Governo do Estado e o Circulo do Coração de Pernambuco no dia 17 de outubro  de 2011. 

De acordo com os dados apresentados pela  assistente social  do  serviço de Cardiologia do Arlinda Marques,  Maria José Souza Galvão, somente em 2014, o Arlinda Marques realizou 4.555 atendimentos, dentre estes,  2.622 consultas ambulatoriais, 102 procedimentos cirúrgicos  e 1.831 ecocardiogramas.

A Rede hoje cobre quase 85% dos nascimentos da rede pública de maternidades.  A Paraíba é pioneira no projeto do Círculo do Coração e oferece assistência de qualidade à população, desde o atendimento ambulatorial até a alta complexidade. A Rede de Cardiologia Pediátrica é financiada com recursos da Secretaria de Estado de Saúde e surgiu da necessidade de melhorar o atendimento em cardiologia pediátrica no Estado.


 


Paulo Cosme